Pedro Pardo/AFP
Pedro Pardo/AFP

Opositores mexicanos protestam contra presidente López Obrador

Convocados no sábado,19, pela Frente Nacional Anti-AMLO, manifestantes acamparam em uma das avenidas principais da Cidade do México

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2020 | 19h24

Dezenas de opositores do presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador instalaram tendas na avenida central Juárez, da Cidade do México, para protestar contra a gestão do representante durante a pandemia da covid-19 e da economia. 

Com faixas que dizem "Fora AMLO" (como o representante é conhecido) e bandeiras mexicanas, o grupo chamado Frente Nacional Anti-AMLO (Frena), questiona o manuseio de López Obrador durante a pandemia do novo coronavírus, que até agora deixou 694.121 casos confirmados de coronavírus e 73.258 mortes, além da crise econômica.

Os manifestantes foram convocados pelo grupo Frena através das redes sociais no sábado, 19, quando eles marcharam desde o Monumento à Revolução, que fica perto do Paseo de la Reforma até o Palacio de Bellas Artes, onde pretendem ficar indefinidamente até a renúncia do presidente López Obrador. "Somos cidadãos comuns e não temos ninguém atrás de nós, mas estamos cientes de que a única maneira de evitar essa ditadura que está sendo estabelecida no país é fazer com que todos os mexicanos saem da nossa zona de conforto e nos unirmos", disseram eles.

O objetivo dos manifestantes era chegar à Praça Zócalo, uma das mais importante do país, em frente à sede do governo. No entanto, a polícia local impediu que eles passassem,  e por esse motivo eles decidiram passar a noite em tendas, em uma avenida próxima do local. O grupo já havia realizado várias manifestações na capital exigindo a renúncia do presidente, questionando suas políticas econômicas e outras decisões como o cancelamento do novo aeroporto na Cidade do México que foi construído em Texcoco.

Neste domingo,  López Obrador que chegou ao poder em dezembro de 2018 prometendo uma transformação no México, chamou os manifestantes de "conservadores" e disse que os protestos são um sinal de que "as coisas estão mudando no país". "Agora protestam aqueles que antes estavam acostumados a viver sob o poder público, estão protestando os conservadores, antes protestava o povo", disse o representante durante uma visita no estado central de Morelos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.