Ortega manterá tropas em zona de disputa com Costa Rica e estuda saída da OEA

'Temos que considerar seriamente nossa retirada da OEA', disse o líder nicaraguense

Efe,

14 de novembro de 2010 | 02h26

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, anunciou no sábado, 13, que seu país considerará se retirar da Organização dos Estados Americanos (OEA) depois que o Conselho Permanente desse fórum lhe pediu para recuar suas tropas de uma zona que disputa com a Costa Rica, uma resolução que, disse, não acatará.

"Temos que considerar seriamente nossa retirada da OEA", disse o líder nicaraguense através de uma mensagem à nação transmitida por rádio e televisão.

O presidente assinalou que a Nicarágua perdeu "toda credibilidade na OEA" e afirmou que Manágua já não convocará uma reunião de chanceleres no seio desse organismo regional para superar a crise limítrofe com a Costa Rica.

O governante nicaraguense disse que já não interessa a seu país a reunião de chanceleres devido à resolução aprovada pelo Conselho Permanente da OEA.

O presidente denunciou que a Nicarágua foi vítima nesse fórum de uma "conspiração" liderada pela Colômbia, país a quem atribuiu "uma política expansionista no mar do Caribe", e à qual se somaram Panamá, Costa Rica, Guatemala e México, nações às quais acusou de ter interesses com o narcotráfico.

Tudo o que sabemos sobre:
Daniel OrtegaOEANicaráguaManágua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.