Outro alto membro das Farc também morre em operação, diz rádio

Segundo emissora Caracol, integrante do Estado-Maior da guerrilha morreu junto a 'Mono Jojoy'

Efe,

23 de setembro de 2010 | 18h56

BOGOTÁ- Henry Castellanos Garzón, membro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), conhecido como "Romaña", também morreu na operação das forças de segurança colombianas que matou o chefe militar do grupo guerrilheiro, "Mono Jojoy", informa a imprensa local, que cita fontes oficiais, nesta quinta-feira, 23.

 

Veja também:

link Símbolo do terror na Colômbia foi derrubado, diz Santos

linkMorte é vitória para a Colômbia, diz Casa Branca

 

A Presidência colombiana e o Ministério da Defesa não confirmaram a morte de "Romaña" à Efe , mas a Caracol Radio informou que as autoridades puderam interceptar comunicações das Farc nas quais a guerrilha confirmou a baixa do líder guerrilheiro.

 

"Romaña" teria morrido na mesma operação militar e policial que matou na quarta-feira Víctor Julio Suárez Rojas, conhecido como "Jorge Briceño Suárez" ou "Mono Jojoy".

 

A Operação Sodoma, como foi batizada, consistiu no bombardeio do acampamento-base das Farc em La Macarena, no departamento colombiano de Meta, com o resultado de 20 rebeldes mortos.

 

O presidente Juan Manuel Santos anunciou hoje em Nova York, onde comparece à Assembleia Geral da ONU, que, entre os guerrilheiros mortos, estavam "pessoas importantes", em alusão a outros membros do alto escalão das Farc.

 

Garzón pertence ao Estado-Maior das Farc e é comandante da Frente Oriental, um dos mais ativos e sanguinários da guerrilha colombiana.

 

O guerrilheiro tem vínculos com crimes de narcotráfico. O governo dos Estados Unidos oferece uma recompensa de até US$ 2,5 milhões para detê-lo.

 

A Procuradoria colombiana tem 70 processos abertos contra ele por crimes relacionados a sequestro, terrorismo, narcotráfico e homicídio.

 

Entre as acusações mais graves está o sequestro do ex-prefeito Héctor Fernando Ramírez da cidade colombiana de Soacha, em 1996.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.