Pai do vice-ministro da Defesa de Honduras é sequestrado

Esposa da vítima alega motivações políticas; sobrinho de Michelleti e coronel foram assassinados na segunda

estadao.com.br,

27 de outubro de 2009 | 15h44

O empresário hondurenho Alfredo Khalil, pai do vice-ministro da Defesa de Honduras do governo de facto, Gabo Khalil, foi sequestrado nesta terça-feira, 27, por vários homens desconhecidos em Tegucigalpa, em uma ação que a esposa da vítima atribuiu ao conflito político no país.

 

Veja também:

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

 

Gloria Mejía de Khalil, esposa do sequestrado, disse à imprensa local que, segundo testemunhas, pelo menos dois homens obrigaram Alfredo Khalil a descer do veículo à força quando este saía de casa, em um local residencial de luxo da capital hondurenha, próxima à Casa Presidencial.

 

Gloria acrescentou que, por volta das 8h45 (12h45 de Brasília), um automóvel se colocou na frente e outro ficou atrás do veículo de Alfredo Khalil, para impedi-lo de avançar, antes de tirar o empresário. Os sequestradores fizeram pelo menos um disparo na porta esquerda do veículo da vítima, acrescentou a esposa, que falou que o marido "é um homem que, em dezembro, completa 81 anos" e tem doenças como diabetes. Segundo Gloria, o marido estava sozinho no veículo e toma remédios de forma permanente.

 

A esposa atribuiu o sequestro ao conflito existente no país após a deposição do presidente Manuel Zelaya em 28 de junho. "Isso não é um crime comum", acrescentou a mulher, que inclusive falou de "um complô que vem da Venezuela, da Nicarágua e de El Salvador".

 

A família Khalil é antiga militante no governante Partido Liberal, e tanto Alfredo Khalil quanto a esposa foram deputados, enquanto ela também foi candidata a prefeita de Tegucigalpa.

 

Assassinatos

 

Na segunda-feira, 26, a Polícia havia informado que o sobrinho do presidente de facto de Honduras, Roberto Micheletti, foi assassinado no norte do país. As autoridades informaram também que o coronel Concepción Jiménez, chefe da Indústria Militar do país, também foi encontrado morto, mas em Tegucigalpa.

 

Motivação

 

Segundo a agência BBC, a polícia hondurenha está investigando as circunstâncias das mortes, mas segundo o porta-voz os dois crimes "parecem não ter nenhuma relação". "Em ambos casos se está levando em conta todas as hipóteses. Não se descarta a motivação política, mas esta possibilidade é a que menos forca tem nestes momentos", afirmou um representante policial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.