'Países devem transformar sensibilidade em dinheiro', diz Lula

Presidente elogiou a mobilização global em torno do Haiti, mas afirmou que alguns países poderiam ajudar mais

Agência Brasil,

18 de janeiro de 2010 | 08h11

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou nesta segunda-feira, 18, que os países “transformem a sensibilidade”, diante da situação no Haiti, em dinheiro para que se possa começar a reconstruir o país. No programa semanal Café com o Presidente, ele elogiou a mobilização global em torno da nação caribenha e afirmou que o Brasil tem um papel importante no processo de reconstrução do Haiti.

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

“O momento agora é de colocar a mão no bolso e ajudar”, disse. “O Brasil já está, há vários anos, reivindicando dinheiro dos países doadores, porque é preciso que a gente resolva o problema do Haiti com mais rapidez.”

 

Lula lembrou que o governo brasileiro anunciou ajuda de US$ 15 milhões ao Haiti e afirmou, sem citar nomes, que alguns países podem ajudar mais. Ele destacou ainda que é preciso que haja coordenação para que a ajuda humanitária tenha efeito na reconstrução da nação. A prioridade, segundo ele, deve ser água e alimentação para os haitianos.

 

O presidente lamentou a morte de militares brasileiros que participavam da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), quando o terremoto de magnitude 7 foi registrado. Ele lembrou também a morte da fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns. “Foi uma situação muito difícil, porque não havia os instrumentos necessários para que a gente pudesse remover os destroços e salvar pessoas com vida, que foi a primeira preocupação”, afirmou.

 

Tudo o que sabemos sobre:
haititerremotoLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.