Países vizinhos suspendem comércio com Honduras

Em apoio a Zelaya, Guatemala, El Salvador e Nicarágua adotam medida por 48 horas; Alba retira embaixadores

Associated Press,

29 de junho de 2009 | 19h48

Os governos da Guatemala, El Salvador e Nicarágua suspenderam nesta segunda-feira, 29, temporariamente, o comércio através de suas fronteiras com Honduras, em uma ação de apoio ao presidente José Manuel Zelaya, deposto e expulso do país por militares. O chefe de Estado nicaraguense Daniel Ortega e o grupo CA4 (integrado pelos três países mais Honduras) leram um comunicado em que foi contemplado "como primeira medida o fim do comércio pelas fronteiras terrestres durante 48 horas."

 

Veja também:

linkAmorim ordena que embaixador brasileiro não volte a Honduras

linkLíder interino empossa ministros em Honduras; Zelaya irá à ONU

linkZelaya continua sendo presidente de Honduras, diz Obama

linkONU inicia reunião urgente sobre Honduras

linkPolícia reprime protesto contra golpe na capital do país

som Podcast: Lula condena ato que tirou o chefe de estado de Honduras do poder

linkNovo presidente responde ameaças de Chávez

linkNa Nicarágua, Zelaya conta como foi destituído

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

som Podcast: Professor da Unesp analisa Golpe de Estado em Honduras

linkPerfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

 

A resolução em apoio a Zelaya foi escrita por seus colegas de El Salvador, Mauricio Funes, da Guatemala, Álvaro Colom e Ortega, reunidos na capital nicaraguense para participar de uma cúpula do Sistema de Integração Centro-americano (SICA), que também deve abordar a crise política em Honduras.

 

Pouco antes, os países da Alternativa Bolivariana para os Povos das Américas (Alba) concordaram, por unanimidade, em retirar seus embaixadores de Honduras. A medida valerá até que Zelaya seja "restituído incondicionalmente."

 

Os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, do Equador, Rafael Correa, Ortega e o ministro de Relações Exteriores cubano, Bruno Rodríguez, comunicaram em entrevista coletiva em Manágua que também decidiram não aceitar nenhum diplomata de Honduras em seus respectivos países.

 

A Alba é integrada por nove países da região, entre eles Venezuela, Equador, Bolívia, Nicarágua, Honduras, Cuba e outros do Caribe. Mais cedo, Brasil e Uruguai também asseguraram que não reconhecerão nenhum governo hondurenho que não seja o de Zelaya.

Mais conteúdo sobre:
Hondurasgolpe de Estado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.