Panamá vai investigar 'vôos da morte' do governo Noriega

O Panamá começou a investigaro desaparecimento de dezenas de estrangeiros durante o governodo ex-presidente Manuel Noriega, na década de 1980, disseramautoridades na quinta-feira. Ex-militares citados numa recente reportagem disseram terparticipado de vôos de helicópteros em que os estrangeiros,inclusive imigrantes clandestinos de Peru, Colômbia e Equador,eram atirados sobre a remota região desértica de Darien, noleste panamenho. O jornal La Prensa disse que os crimes aconteceram em 1982e 83, época da ascensão do general Noriega ao poder. Suamotivação não está clara, mas os ex-militares descartaramrazões políticas. "Alguns diziam que era só por diversão, outros que era paraliberar espaços na penitenciária local", disse à Reuters ojornalista Santiago Fascetto, autor da reportagem, referindo-seàs suas conversas com os ex-soldados. Em um caso descrito por ele, um imigrante colombiano teriasido colocado em um helicóptero depois de ter voltado ao Panamáapós duas deportações. O Ministério Público panamenho informou à Reuters que opromotor Maruquel Castroverde foi encarregado da investigação. Noriega, 70 anos, está preso na Flórida, onde cumpre penapor narcotráfico e outras acusações. Ele governou o Panamá até1989, quando foi deposto por uma invasão norte-americana. As ditaduras militares panamenhas foram menos brutais doque de outros lugares da América Latina, mas ONGs de direitoshumanos dizem que soldados continuam rotineiramente torturandopessoas consideradas inimigas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.