Para Chávez, Brasil não é líder único da América Latina

Presidente venezuelano diz que na região não há um líder único, e sim vários nomes importantes

Efe

17 de dezembro de 2008 | 14h13

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse nesta quarta-feira,17, durante a Cúpula da América Latina e do Caribe, que o Brasil não é a única liderança da região. Veja também: Washington foi 'desprezado' em cúpulas na Bahia, diz 'NYT' Lula vê 'furacão político e ideológico' na AL Chávez diz na Bahia que capitalismo é coisa do diabo Bolívia defende prazo aos EUA para fim de embargo a Cuba"O Brasil exerce uma liderança importante na América Latina, mas que na região não há um líder único, e sim vários", afirmou em referência ao presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, ter convocado esta cúpula, além de ser um dos principais criadores da Comunidade de Nações Sul-americanas (Unasul)."Sem dúvida, o Brasil exerce uma liderança importante. Mas não se trata de que haja um líder na região. Trata-se de um conjunto de lideranças", assegurou Chávez em declarações a jornalistas na Costa do Sauípe, onde participa da cúpula.O presidente venezuelano, por sua parte, exerce uma liderança entre os países que integram a Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba) - basicamente um grupo de chefes de Estados aliados a seu governo.Segundo Chávez, Lula pronunciou ontem, no primeiro dia de debates da cúpula, um discurso no qual se referiu às mudanças que se registraram na América Latina nos últimos anos e aos numerosos "líderes" que surgiram."Lula dizia que muitas coisas mudaram em dez anos e assinalava com muita precisão a importância das novas lideranças: a Bolívia exerce liderança, Equador, Paraguai, Chile, Cuba (...) todos", afirmou."O melhor para a América Latina é que, em lugar de uma liderança, possamos ter um conjunto de lideranças: de países líderes, de homens líderes, de mulheres líderes, de povos líderes", acrescentou o venezuelano.Sobre os esforços do G20, integrado pelos países mais ricos e por alguns emergentes como o Brasil, para enfrentar a crise mundial, Chávez estimou que já não há salvação e que "não vou falar por Lula (que participou da cúpula do G20). Não acho que Lula esteja pensando em repensar o capitalismo. Lula tem seu pensamento que conhecemos, um pensamento 'latino-americanista', um pensamento patriota, da grande pátria", declarou.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaBrasilLulaChávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.