Para Chávez, Israel é braço 'homicida do império ianque'

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, aproveitou na quarta-feira uma visita do colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, para qualificar Israel como agente sanguinário dos Estados Unidos.

FRANK JACK DANIEL E ANDREW CAWTHORNE, REUTERS

26 Novembro 2009 | 09h20

Chávez e Ahmadinejad, na última etapa de sua viagem pela América do Sul, trocaram abraços, apertos de mão e elogios revolucionários.

O venezuelano aludiu a uma declaração feita neste mês pelo presidente de Israel, Shimon Peres, durante a sua própria visita à América do Sul --para Peres, os dias de Chávez e Ahmadinejad no poder estão contados.

"Sabemos a que se presa o Estado de Israel --um braço homicida do império ianque", disse Chávez a jornalistas. "O que o presidente de Israel disse, levamos como uma ameaça."

Chávez rompeu relações com Israel neste ano, e foi elogiado pelo mundo islâmico depois de qualificar como genocida a ação militar de dezembro e janeiro do Estado judeu na Faixa de Gaza.

Refletindo a retórica chavista, os muros de Caracas frequentemente aparecem com slogans antissemitas. Além disso, o governo de Chávez mantém uma estreita relação com Ahmadinejad, que costuma questionar a ocorrência do Holocausto nazista.

Chávez também apoia o direito do Irã de ter um programa nuclear, e Teerã ajuda a Venezuela a mapear suas reservas de urânio. Ambos os países pertencem à Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo).

Durante a visita de Ahmadinejad, os dois governantes assinaram diversos acordos empresariais e industriais, relacionados a 129 projetos conjuntos que, segundo Chávez, vão da montagem de bicicletas e a fabricação de autopeças até o processamento de leite e construção de casas.

Antes de chegar à Venezuela, Ahmadinejad havia passado por Brasil e Bolívia, dois países onde ouviu palavras de apoio ao programa nuclear que Teerã diz ter fins pacíficos --algo de que potências ocidentais duvidam.

"O que os imperialistas dizem? Que Ahmadinejad está aqui porque estamos fazendo a bomba atômica aqui também", disse Chávez. "Eles é que têm bombas atômicas, e lembrem-se de que os imperialistas ianques despejaram bombas sobre Hiroshima e Nagasaki", disse numa referência ao ataque com bombas nucleares realizado pelos EUA nessas cidades japonesas no final da Segunda Guerra Mundial.

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELA CHAVEZ ISRAEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.