Para Chávez, ministro de Defesa colombiano é ameaça para região

O presidente venezuelano Hugo Chávez disse neste domingo que o ministro colombiano da Defesa, Juan Manuel Santos, é uma ameaça para a região e advertiu Bogotá para que rejeite a idéia do ministro de perseguir guerrilheiros fora de seu território. Chávez afirmou que não quer retomar as tensões diplomáticas que manteve com Bogotá no passado, mas avisou o presidente colombiano Alvaro Uribe que mandará aviões e tanques de guerra à fronteira caso tropas colombianas entrem em seu território. Santos disse recentemente que atacar terroristas fora do país é "legítima defesa", o que irritou seus vizinhos um ano após Bogotá atacar um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Equador para eliminar um dos principais líderes do grupo. "O ministro Santos é uma ameaça para a paz da América do Sul... não ele somente, ele representa a corrente mais fascista da oligarquia colombiana", apontou Chávez durante seu programa semanal de rádio e televisão "Alô, presidente". O governo de Alvaro Uribe não avalizou as declarações de Santos, mas Chávez se surpreendeu de que ele siga no cargo. "É estranho que o ministro Santos se dê ao luxo de dizer o que tem vontade e que siga no cargo. É estranho, muito estranho", comentou. Depois do ataque do ano passado, Chávez mobilizou tropas na fronteira e rompeu relações com a Colômbia, mas após poucos dias de tensões o ambiente se acalmou. Meses antes, Bogotá e Caracas haviam se distanciado quando Uribe terminou com a mediação de Chávez para libertar sequestrados pelas Farc. O presidente assegurou que Santos se declarou inimigo da Venezuela, ainda que tivesse dito que não queria retomar as tensões. "Não quero voltar aos enfrentamentos do passado," afirmou depois de assegurar que a guerrilha é problema colombiano, e que não podia ter um militar em cada metro da fronteira para garantir que os guerrilheiros não as cruzem. Além disso, advertiu a Uribe que as tropas colombianas não devem entrar na Venezuela. (Por Patricia Rondón Espín)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.