Para Espanha, renúncia de Fidel pode trazer reformas a Cuba

Governo espanhol diz que anúncio é importante e de grande impacto, mas deve ser recebido com cautela

Efe,

19 de fevereiro de 2008 | 06h18

A Espanha avaliou nesta terça-feira, 19, a renúncia de Fidel Castro à Presidência de Cuba, notícia que considerou de "grande impacto". Para a secretária de Estado espanhola para a Região Ibero-Americana, Trinidad Jiménez, o anúncio poderia representar a materialização das reformas anunciadas nos últimos meses por seu irmão Raúl, a quem cedeu o poder há mais de um ano.  Veja também:Fidel Castro renuncia à Presidência cubana  Cuba deve seguir pelo caminho da democracia, espera França Site do Gramma (em português) Site do Gramma (em espanhol) "O fato de que renuncie formalmente à Presidência pode marcar o início de um momento no qual (Raúl) poderá assumir com maior capacidade, solidez e confiança esse processo de reformas do qual ele mesmo já falou, e que agora pode começar a se materializar", disse Jiménez. Fidel Castro assegurou que não aspirará e nem aceitará os cargos de presidente do Conselho de Estado e comandante-em-chefe de Cuba, em mensagem publicada nesta terça-feira pelo diário oficial cubano Gramma. Em declarações a uma emissora de rádio espanhola, a secretária de Estado disse se tratar de uma notícia importante e de grande impacto, mas que deve ser recebida com cautela. Jiménez acrescentou que o Governo espanhol esperava por esta decisão "há alguns meses". Ela indicou que o Executivo de José Luis Rodríguez Zapatero se mantém em contato permanente com a Embaixada da Espanha em Havana.

Mais conteúdo sobre:
Fidel Castro, renúnciaCuba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.