Para Lula, OEA agiu com 'bom senso' ao reintegrar Cuba

'É uma vitória do povo latino-americano', diz presidente; organismo suspendeu veto histórico da Guerra Fria

Tânia Monteiro, Agência Estado

03 de junho de 2009 | 19h43

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou na noite desta quarta-feira, 3, o resultado da reunião da Organização dos Estados Americanos (OEA), em Honduras, que derrubou o artigo que impedia que Cuba integrasse o bloco. "É uma vitória do povo latino-americano", disse Lula. "Os países chegaram a um consenso e decidiram que Cuba pode voltar à organização, desde que cumpra os princípios da OEA. Foi um resultado importante", comentou.

 

Veja também:

linkApós 47 anos, OEA revoga suspensão de Cuba no grupo

linkRepublicanos querem suspender apoio à OEA

linkFidel: OEA é 'cúmplice' de crimes contra Cuba

lista Leia íntegra da resolução da OEA

 

Para o presidente, esse resultado fortalece a OEA e, mais do que fortalecer a OEA, "prevaleceu o bom senso, já que não se conseguia explicar, não se conseguia entender como fazer uma reunião com os países das Américas e Cuba não estar presente, como se fosse um patinho feio. Isso acabou e foi bom para todo mundo", declarou o presidente, na base aérea da Costa Rica, pouco antes de embarcar de volta ao Brasil.

O presidente comentou ainda que não sabe se Cuba vai querer voltar à OEA. "Cuba pode não querer, mas, eles não estão mais marginalizados", disse. E emendou: "Apagamos hoje uma história de muitos anos". Após lembrar que o resultado foi fruto de acordo dos Estados Unidos e dos países da América Latina, Lula comentou que tem conversado com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre essas questões.

 

"As coisas vão acontecendo, nem mais rápido do que podem acontecer, nem mais lento do que devam acontecer", disse. Para o presidente, a suspensão do embargo é o próximo passo. "Ele (o embargo) vai caindo aos poucos e tudo vai voltar à normalidade", avaliou o presidente.

 

Tudo o que sabemos sobre:
CubaOEALula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.