Para Lula, ONU não tem coragem para colocar paz em Gaza

Presidente pede a realização de reunião de emergência para discutir a situação no Oriente Médio

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

30 de dezembro de 2008 | 14h48

A Organização das Nações Unidas (ONU) não tem coragem de tomar a decisão de colocar paz no Oriente Médio. A afirmação foi feita há pouco pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Recife (PE), durante cerimônia de inauguração da primeira etapa do Parque Dona Lindu, no bairro de Boa Viagem. Segundo o presidente, que fez um discurso de 45 minutos, essa falta de ação da ONU no conflito entre israelenses e palestinos é motivada pelo poder de veto dos EUA no Conselho de Segurança.   Veja também: Militares israelenses sugerem trégua em Gaza Egito recusa abertura da fronteira com a Faixa de Gaza Israel rejeita trégua e diz que esta é 'só a 1ª fase' UE pede a Israel e Hamas que suspendam ataques   Lapouge: Israel quer restabelecer orgulho militar   Sete mil se alistam no Irã para atentados suicidas contra Israel Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Veja imagens de Gaza após os ataques      Lula disse que pediu ao ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, para ligar para o presidente da França, Nicolas Sarkozy (que está em férias no Brasil), e convocar uma reunião de emergência. Ele não deu detalhes sobre onde e quando ocorreria essa reunião. "Nós, do Brasil, vamos trabalhar junto a outros países para achar um jeito daquele povo parar de se matar". O presidente destacou que o Brasil convive em paz com árabes e judeus e destacou que "violência gera violência". Lula reconheceu que o Hamas é "muito radical", mas comparou o potencial bélico de Israel frente aos palestinos como de uma bomba ante um palito de fósforo. Ele disse ainda que o mundo precisa de paz e pediu uma salva de palmas para os presentes em homenagem à paz.   Além da crise no Oriente Médio, Lula falou de fatos sua infância em Pernambuco, da importância da família e voltou a fazer comentários sobre a crise financeira global. Ele admitiu que o Brasil terá alguns problemas, mas disse estar torcendo para que os Estados Unidos e a Europa resolvam logo seu problemas, já que a crise não é dos emergentes, mas dos países ricos. Lula garantiu que os pobres não pagarão a conta dessa crise no país.   Foi em clima de festa que Lula foi recebido para a inauguração da primeira fase do Parque Dona Lindu, no bairro de Boa Viagem. O presidente chegou ao som do frevo 'Vassourinhas', tocado por músicos de 17 orquestras de frevo da região metropolitana de Recife. A cantor e compositor Alceu Valença estava entre os convidados. Além das obras do parque, também foi inaugurado o Memorial aos Retirantes, um conjunto de esculturas representando Dona Lindu e seus filhos, de autoria do artista plástico pernambucano Abelardo da Hora.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosFaixa de GazaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.