Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Para vice colombiano, não há risco de guerra com vizinhos

O vice-presidente colombiano,Francisco Santos, disse na quinta-feira que não vê risco deguerra com a Venezuela e o Equador, apesar da mobilizaçãomilitar gerada pelo ataque colombiano a um acampamento dasForças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em territórioequatoriano. "Não acho que haja risco de guerra. O governo colombianotem sido muito claro que não usará a força", disse Santos ementrevista à Reuters durante visita a Bruxelas para encontroscom autoridades da União Européia. "Não cairemos no jogo daprovocação." A Venezuela enviou tanques e forças aéreas e marítimas paraa fronteira com a Colômbia na quarta-feira, no que classificoucomo ato defensivo após uma operação de forças colombianasmatar um líder das Farc em território do Equador. A Organização dos Estados Americanos (OEA) adotou resoluçãona quarta-feira afirmando que a Colômbia violou a legislaçãointernacional, mas não chegou a condenar o país pela ação. Santos disse que a Colômbia tinha justificativa pararealizar o ataque, pois pediu por várias vezes que o Equador ea Venezuela tomassem providências contra acampamentos das Farcem seus territórios. A Colômbia pediu desculpas ao Equador pela invasãoterritorial, mas disse que a incursão era necessária pois suastropas foram atacadas por guerrilheiros localizados no paísvizinho. Quito quer um pedido de desculpas mais enfático de Bogotá egarantias de que forças colombianas não entrarão novamente emterritório equatoriano. Santos disse à Reuters que o governo colombiano estápreparado para tomar novas medidas para resolver a situação,com a condição de que as Farc sejam impedidas de estabeleceracampamentos próximos à fronteira colombiana. "O governo colombiano está pronto para fazer o que fornecessário para resolver a situação, mas com uma condiçãoclara, concreta e fundamental: que não exista apoio nemacampamentos do outro lado da fronteira", disse. (Reportagem de William Schomberg)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.