Paraguai entra em alerta contra febre amarela e dengue

Centenas de paraguaios se vacinaram naquinta-feira contra a febre amarela perto da fronteira com oBrasil, enquanto autoridades sanitárias confirmavam o primeirocaso suspeito de dengue neste ano. O Paraguai não registrou casos de febre amarela nas últimasdécadas, mas a proximidade com o Brasil e a grande quantidadede turistas paraguaios que passam o verão nas praiasbrasileiras foram fatores que deixaram a população em alerta. O Brasil confirmou a morte de sete pessoas por causa dafebre amarela, doença transmissível por insetos, que provocadores musculares na sua primeira fase. O ministério paraguaio da Saúde Pública instalou um postoambulante de vacinação na entrada da ponte da Amizade, que uneCiudad del Este a Foz do Iguaçu (PR), uma zona de intensaatividade comercial pela qual passam diariamente milhares depessoas. O encarregado do posto disse a uma TV local que só naquinta-feira foram administradas cerca de 500 doses da vacina,e que os controles sanitários se intensificaram nos últimosdias na região. A demanda excepcional pela vacina era registrava também emAssunção, principalmente por parte de pessoas que pretendempassar férias no Brasil. Mas os médicos dos hospitais públicos se dizem maispreocupados com a possibilidade de um novo surto de dengue,doença também de origem viral, que matou 17 pessoas econtaminou milhares no Paraguai no começo de 2007. O diretor do Hospital das Clínicas de Assunção, AdolfoGaleano, confirmou a aparição da primeira suspeita de denguehemorrágica neste ano, num paciente de 25 anos de uma zonarural do centro do país. "Ele deu entrada com um quadro que parecia febre amarela,mas foram feitos exames e existe uma alta probabilidade de quese trate de dengue hemorrágica", disse Galeano a jornalistas. A dengue provoca febre e dor intensa em articulações emúsculos, e é transmitida também pela picada de um mosquito.Sua variedade hemorrágica pode produzir sangramento interno eser mortal se não for tratada adequadamente. (Por Daniela Desantis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.