Paraguai troca chefes da polícia depois de apreensão de cocaína

O Paraguai demitiu nesta segunda-feira dois graduados chefes de polícia depois de um oficial ter sido flagrado participando de uma operação de contrabando de 1,8 tonelada de cocaína, o maior carregamento apreendido na história do país.

Reuters

12 de novembro de 2012 | 15h43

A operação, que resultou na prisão de 19 pessoas e na apreensão de cinco aviões, foi realizada neste fim de semana no departamento Canindeyu, na fronteira com o Brasil.

Meios de comunicação locais informaram que havia suspeitas de cobertura policial ao grupo, embora os policiais exonerados não tenham sido acusados de nenhum delito.

"Foi processada a demissão do chefe de polícia e do chefe de ordem e segurança do departamento de Canindeyu e foi determinada a abertura de processo administrativo de todas as pessoas que prestavam serviço dentro da área de influência do operativo", disse o comandante de polícia, Alfo Pastore.

"Este comando não perdoará nenhum policial envolvido em feitos criminosos", acrescentou.

Pastore disse que um policial detido não poderia estar atuando como agente disfarçado --como disse um de seus superiores-- porque essa tarefa não foi comunicada ao comando da polícia, como exige o protocolo.

A cocaína teria ingressado a partir da Bolívia e estava escondida enterrada em uma área arborizada a 15 quilômetros da fronteira com o Brasil, disseram autoridades do combate ao tráfico de drogas do Paraguai.

A estrutura desarticulada pela operação fornecia a droga a várias organizações criminosas do Brasil, segundo as autoridades.

(Reportagem de Daniela Desantis)

Tudo o que sabemos sobre:
PARAGUAICOCAINAOPERACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.