Parentes de reféns resgatados na Colômbia choram e riem

Os familiares dos 15 reféns de umaguerrilha resgatados pelo Exército da Colômbia na quarta-feira,entre os quais a franco-colombiana Ingrid Betancourt e trêsnorte-americanos que ficaram anos presos por anos, receberam anotícia com alegria e lágrimas. Os reféns, que integram um grupo de pessoas sequestradascom o intuito de servirem como moeda de troca por guerrilheirosdas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foramresgatados em uma operação militar realizada em uma área demata do Departamento de Guaviare (sudeste do país). "Estou felicíssima. Não vejo a hora de abraçar minha irmã.Esperamos durante muitos anos por este momento", afirmou, emmeio a soluços, Astrid Betancourt à rádio RCN. O estado de saúde dos reféns libertados é relativamentebom, afirmou o ministro colombiano da Defesa, Juan ManuelSantos, em uma entrevista coletiva na qual anunciou o resultadoda operação militar. Na mesma operação foram presos os guerrilheirosencarregados de vigiar os sequestrados. "Estamos chorando de felicidade. Você não sabe como estamosfelizes", afirmou Ricardo Malagón, sobrinho de um dos militareslibertados na operação Xeque. Nas ruas da capital colombiana, motoristas tocavam a buzinade seus carros enquanto várias pessoas agitavam bandeiras dopaís. "Estou contente demais, como todos os colombianos. Temos dereconhecer que essa foi uma operação bem-sucedida e agora vamoster a possibilidade de conviver novamente com essas pessoas",disse o ex-presidente Ernesto Samper.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.