Parlamentares mexicanos anunciam greve de fome para pressionar governo

Oposição quer debate nacional sobre uma proposta de reforma energética

AP

14 de abril de 2008 | 14h18

Os parlamentares esquerdistas do México anunciaram uma greve de fome para pressionar o governo a realizar um amplo debate nacional sobre uma proposta de reforma energética. Os oposicionistas ocupam há quatro dias as tribunas da Câmara dos Deputados e do Senado. Os membros do Partido da Revolução Democrática (PRD) começaram o jejum na noite de domingo. O senador Carlos Navarrete afirmou que trata-se de um exemplo de "que estamos dispostos a continuarcom ações de tipos muito diversos" contra a reforma, considerada pela esquerda um início de privatização.     Nesta segunda-feira, 14, os parlamentares levantaram uma "barricada" com cadeiras em volta da tribuna da Câmara dos Deputados. Além do PRD, membros do minoritário Trabalho e Convergência buscam uma discussão entre especialistas, intelectuais e da sociedade em geral sobre o projeto, apresentado pelo presidente Felipe Calderón. A esquerda diz que o Partido da Ação Nacional (PAN), da situação, pretende aprovar o texto nas próximas semanas. O líder do PAN no Senado, Santiago Creel, afirmou que seupartido nunca se negou a debater o tema. Além disso, garantiu que a proposta não poderia ser aprovada antes de 30 de abril.   A proposta permitiria à estatal Petróleos Mexicanos (Pemex) contratar empresas privadas para construir ou operar refinarias, além de acompanhá-la na exploração do petróleo.   O governo argumenta que não se trata de privatização, pois as empresas serão pagas em dinheiro, com bônus adicionais por desempenho, mas não levarão parte do petróleo ou de seus derivados.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoparlamentogreve de fome

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.