Efe
Efe

Partido paraguaio é advertido por uso indevido do Chapolin

Colorado, legenda derrotada por Lugo, usa personagem para convite de ato pelos 122 anos de sua fundação

Efe,

09 de setembro de 2009 | 10h03

A fundação que representa os direitos autorais do popular personagem mexicano "Chapolin Colorado" advertiu o Partido Colorado do Paraguai pelo suposto uso indevido de sua imagem em uma promocional institucional.

 

O representante da Fundação Roberto Gómez Bolaños (Chespirito), Jorge Luis Arnau, explicou a meios de comunicação paraguaios que seus advogados "estão avaliando as considerações legais" ao assegurar que não se pode empregar a imagem do "Chapolin Colorado" para uma "conotação política".

 

O Partido Colorado, que em 2008 perdeu uma hegemonia de 61 anos no governo, adotou a imagem do popular personagem mexicano na convocação realizada a seus seguidores para comemorar nesta quinta-feira o 122º aniversário de fundação.

 

A caricatura do "Chapolin" aparece levando uma bandeira vermelha com uma estrela branca em grandes outdoors nas principais avenidas de Assunção. O anúncio contém a frase "Sempre poderá nos defender", em alusão à pergunta "Quem poderá nos defender?" que fazem os personagens da série antes de recorrer ao auxílio do peculiar super-herói.

 

"O que pedimos é que se retire a imagem, o aspecto legal, se é que o há, o determinará nosso departamento legal", asseverou Arnau desde México, em declarações telefônicas à emissora de rádio Ñandutí.

 

Os "colorados" deixaram o poder depois que o ex-bispo católico Fernando Lugo venceu, com a Aliança Patriótica para a Mudança (APC), as eleições gerais de 20 de abril de 2008. A maior parte do tempo que o Partido Colorado se manteve no poder nas últimas seis décadas corresponde à ditadura do general Alfredo Stroessner, que governou o país de 1954 até sua derrocada, em 1989.

Tudo o que sabemos sobre:
ParaguaiChapolin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.