Patrimônio de Kirchner cresceu 160% após Presidência

Jornal diz que 2007 foi o melhor ano para o ex-presidente, que aumentou sua fortuna em US$ 5,6 milhões

Efe,

17 de janeiro de 2008 | 14h37

O ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner aumentou seu patrimônio em 160% durante seus quatro anos em que chefiou o governo (2003-2007), segundo a declaração de bens apresentada perante o Escritório Anticorrupção do país, e publicada nesta quinta-feira, 17, pela imprensa.   Segundo a declaração, 2007 foi o melhor ano para a economia pessoal do ex-presidente, já que sua fortuna pessoal aumentou em 5,7 milhões de pesos (US$ 1,8 milhão), para 17,8 milhões de pesos (US$ 5,6 milhões).   De acordo com os dados publicados pelo jornal La Nación, no ano passado Kirchner incorporou a seu patrimônio um edifício de dez apartamentos e um complexo turístico em sua província natal de Santa Cruz, investimento que lhe gerou uma dívida de 8,3 milhões de pesos (US$ 2,6 milhões). A renda do ex-governante e de sua esposa, a atual presidente argentina Cristina Fernández de Kirchner, também tiveram um forte aumento durante 2007, ao passar de 3,9 para 7 milhões de pesos (US$ 1,2 para US$ 2,2 milhões), em sua maior parte decorrentes do aluguel de seus imóveis.   No total, o casal possui 19 casas, 14 apartamentos, seis terrenos e dois estabelecimentos comerciais, que em sua maioria estão em Santa Cruz, província que Kirchner governou entre 1991 a 2003. As exceções são duas propriedades em Buenos Aires.   Por outro lado, ambos não trocaram, nos últimos quatro anos, os dois automóveis da marca Honda que possuem desde 2001 e 2002, com um valor conjunto estimado de 95 mil pesos (US$ 30 mil).   Os Kirchner possuem ainda várias propriedades em El Calafate, na Patagônia argentina, um dos principais pontos turísticos do país. Lá, investiram cerca de 8,5 milhões de pesos (US$ 2,6 milhões) para a construção de um exclusivo complexo turístico que possui 18 quartos.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaNestor Kirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.