Pela primeira vez, jornal oficial de Cuba critica país

No governo Fidel Castro, os diários ignoravam comentários à ilha e se concentravam nos 'EUA, diz reportagem

da Redação

15 de março de 2008 | 14h56

O Granma, jornal do Partido Comunista de Cuba e do ex-presidente Fidel Castro, começou a publicar notícias negativas do país, comentando a ineficiência do governo, a corrupção na economia, segundo reportagem do El Pais de sexta-feira.    Veja também: Leia a cobertura completa sobre a sucessão de Fidel A trajetória de Fidel Castro  Principais capas do Estadão sobre Fidel    Durante o governo de Fidel Castro , os diários ignoravam as críticas à ilha e se "concentravam no seu inimigo ideológico", os Estados Unidos, diz a reportagem.   Pela primeira vez, a principal fonte de informação da ilha dobrou as páginas da edição de sexta-feira, chegando a 16. " A partir de hoje, 14 de março, Dia da imprensa cubana , Granma circulará as sextas com 16 páginas, como parte dos esforços para elevar a informação à população e a qualidade do nosso trabalho", disse.     O líder cubano Fidel Castro anunciou no dia 19 de fevereiro a sua renúncia. Em uma mensagem publicada pelo jornal oficial do Partido Comunista Cubano, o Granma, Fidel disse que não aceitará o cargo de Presidente do Conselho de Estado, para o qual vinha sendo eleito e ratificado desde 1976.   Fidel, que deixou o governo após 19 meses afastado por conta de uma doença, afirmou ainda que seguiu pela televisão "a posição embaraçosa de todos os candidatos à Presidência dos EUA", suas reações, e que "um a um, todos se sentiram obrigados a realizar exigências imediatas sobre Cuba para não correrem o risco de perder um único voto que fosse", disse Fidel. "'Mudança, mudança, mudança!' gritaram em uníssono. Eu concordo, 'mudança!', mas da parte dos EUA", escreveu.

Tudo o que sabemos sobre:
CubaFidel CastroGranma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.