Pentágono pede ajuda do FBI em investigação sobre vazamentos

Mais de 90 mil documentos sobre a guerra afegã vazaram; Gates quer descobrir o responsável

Efe,

29 de julho de 2010 | 19h04

 

WASHINGTON- O FBI ajudará o Pentágono a encontrar o responsável pelo vazamento de mais de 90 mil documentos secretos sobre a guerra do Afeganistão publicados no fim de semana no site da organização Wikileaks.

 

Veja também:

linkKarzai questiona disposição de aliados em agir contra o Paquistão

blog Chacra: Maior aliado dos EUA ajuda o Taleban

blog Guterman: Vazamentos mostram como grande imprensa ainda é importante

lista  Leia a íntegra no Wikileaks  (Em inglês)

 

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, informou hoje que conversou pessoalmente com o diretor do FBI, Robert Mueller, para pedir sua colaboração na investigação aberta pelo Pentágono.

 

"É importante contar com todos os recursos disponíveis para investigar e resolver esse vazamento em nosso sistema de segurança", disse Gates em uma coletiva de imprensa, acompanhado do chefe do Estado Maior Conjunto, o almirante Mike Mullen.

 

O secretário também disse que seu departamento está tomando medidas para que casos como esse não voltem a ocorrer, por causa das consequências que podem acarretar aos soldados que combatem no país asiático.

 

Entre as iniciativas adotadas, Gates acenou para novos procedimentos a respeito do acesso e distribuição de informações confidenciais. Segundo Gates, um esforço será feito para "fortalecer os canais de segurança e fornecer a nossos soldados a segurança de que precisam no campo de batalha".

 

Gates não respondeu nenhuma pergunta sobre como será feita a investigação para "não interferir em seu transcurso".

 

Mullen, por sua vez, lamentou que os documentos "que fazem referência a uma guerra que está em curso" tenham vazado, mas deixou claro que o que foi publicado na imprensa não inclui a estratégia da guerra.

 

Segundo o ex-procurador Joseph Digenova, a investigação pode incluir a revisão de e-mails, cartas e ligações particulares tanto de pessoas civis como militares do Pentágono, assim como de soldados que estão no Afeganistão.

 

No fim de semana passado, a Wikileaks, um organização que se dedica a denunciar más práticas de governos na web, publicou sob o título "Diário da Guerra Afegã" milhares de documentos sobre o conflito que englobam desde janeiro de 2004 até o fim de 2009, primeiro ano do governo Obama.

 

Nos relatórios, há indícios de que a inteligência do Paquistão colabora com a insurgência Taleban, além de mortes de civis não reportadas e a existência de um esquadrão americano que captura e mata líderes rebeldes sem julgamento.

 

Em dezembro passado, o presidente Barack Obama apresentou sua nova estratégia para o Afeganistão, que inclui o envio de mais 30.000 soldados ao país e o início da retirada das tropas em julho de 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.