Pérez Roque, uma carreira meteórica interrompida em Cuba

Forjado por Fidel, ex-chanceler de 43 anos obteve grandes êxitos diplomáticos; ele renunciou assumindo erros

Reuters,

05 de março de 2009 | 17h17

A meteórica carreira do agora ex-chanceler cubano Felipe Pérez Roque foi sepultada nesta quinta-feira, 5, com a publicação de uma carta na qual reconhece que cometeu erros e renuncia a todos os seus cargos políticos. No entanto, as razões que encerraram repentinamente o futuro de um dos mais proeminentes dirigentes cubanos ainda são um mistério.   Como disse na carta, o ex-ministro de 43 anos também deixa seu cargo como vice-presidente do Conselho de Estado e ainda sai do Partido Comunista. "Continuarei defendendo, com lealdade e modéstia, a revolução, cujos princípios e ideais estou e estarei sempre plenamente comprometido", escreveu. Pérez Roque, um ex-líder estudantil forjado politicamente como secretário do ex-presidente Fidel Castro, era considerado por analistas uma figura de peso no governo Raúl Castro.   Veja também: Dirigentes cubanos destituídos renunciam e admitem 'erros' Leia íntegra das cartas de renúncia dos dirigentes cubanos Fidel reaparece em foto ao lado do presidente dominicano EUA buscarão paz com Cuba com ajuda do Brasil, diz jornal Fidel acusa ex-aliados de ''ambição'' e justifica mudanças no governo   Seu próprio mentor foi o ex-ditador, que nesta semana o acusou de desempenhar um "papel indigno". Classificado como um comunista ortodoxo, Pérez Roque defendia fortemente o sistema político cubano nas assembleias gerais da ONU. Sua carreira política ganhou rápida projeção. Ele entrou no Parlamento da ilha aos 21 anos, no Comitê Central do Partido Comunista aos 26 e no Conselho de Estado aos 27.   Pérez Roque foi nomeado chanceler em 1999 para substituir Roberto Robaina, outro jovem carismático que foi afastado sem explicações, tornando-se o primeiro ministro cubano nascido depois da revolução de 1959. "Ele está familiarizado como poucos com as ideias e pensamentos de Fidel", anunciou o governo cubano ao anunciar a nomeação do jovem, desconhecido por muitos até então.   Sob o governo de Raúl, Pérez Roque conseguiu importantes êxitos diplomáticos como votação recorde contra o embargo americano contra Cuba na ONU, o ingresso da ilha no Grupo do Rio e a normalização das relações com a União Europeia. O ex-chanceler é casado com a filha do dirigente comunista Jaime Crombet, vice-presidente do Parlamento cubano.

Tudo o que sabemos sobre:
Pérez RoqueCubaFidel Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.