Peru condena ex-militares a até 35 anos por morte de estudantes

A justiça do Peru condenou na terça-feiracom 15 a 35 anos de prisão um grupo de ex-militares acusados dosequestro e assassinato de um professor e nove estudantesuniversitários, caso pelo qual o ex-presidente peruano, AlbertoFujimori, também está sendo julgado. O ex-chefe do Serviço Nacional de Inteligência, JulioSalazar, foi sentenciado a 35 anos de prisão pela Primeira SalaPenal Anticorrupção, por homicídio qualificado edesaparecimento forçado dos estudantes e dos professor daUniversidade de La Cantuta, em 1992. O grupo era suspeito depertencer à guerrilha maoísta Sendero Luminoso. A corte condenou também três ex-membros da "Colina", umesquadrão militar da morte, a 15 anos de prisão pelas mesmasacusações. A justiça, contudo, absolveu outros quatro agentes da"Colina", grupo também acusado da matança de "Barrios Altos",quando morreram 15 pessoas, entre elas uma criança. Fujimori, que governou o Peru entre 1990 e 2000, atualmenteestá sendo julgado por violações aos direitos humanos nosmassacres de La Cantuta e Barrios Altos. O ex-presidente, que lutou com mão de ferro contra osgrupos rebeldes, se declara inocente. (Reportagem de Teresa Céspedes) Tradução Redação São Paulo 5511 5644-7757))

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.