Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Peru diz que Venezuela não deveria pôr mais fogo em conflito

O presidente peruano, Alan Garcia, afirmouna terça-feira que a Venezuela não deveria acrescentar fogo aoconflito entre Equador e Colômbia, após um ataque em territórioequatoriano às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia(Farc). Garcia, em declarações à imprensa ao lado do presidenteequatoriano Rafael Correa, pediu também à OEA e ao Grupo do Rioque se pronunciem sobre o conflito na região andina. "Ninguém mais deve intrometer-se neste problema. Creio quea presença de um terceiro país neste assunto não faz bem",disse Garcia no Palácio do Governo, em Lima. "A Venezuela não deveria acrescentar incandescência a estetema", disse o presidente peruano. O conflito irrompeu depois da incursão de militarescolombianos em território do Equador, em uma operação queresultou na morte de "Raúl Reyes", considerado o número 2 nocomando das Farc. "Consideramos necessário que a Organização dos EstadosAmericanos (...), assim como a União Sul-Americana e o Grupo doRio estejam presentes por meio de um pronunciamento e queconsigamos alcançar a relação cordial que existia nos últimostempos entre a Colômbia e Equador", disse Garcia. O governo de Quito considerou o ataque uma agressão. Acrise se agravou com a posição da Venezuela, que expulsourepresentantes diplomáticos colombianos depois de Bogotá teracusado Caracas de ter enviado 300 milhões de dólares às Farc. Equador e Venezuela ordenaram o reforço dos contingentesmilitares em suas fronteiras com a Colômbia após a morte dolíder das Farc. Chávez, aliado de Correa, declarou que o ataqueem território equatoriano poderia provocar uma guerra. (Reportagem de María Luisa Palomino)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.