Peru e Chile discutem fronteiras márítimas

Lima ameaça levar polêmica sobre limite entre países para o Tribunal Internacional da ONU

REUTERS

09 de novembro de 2007 | 13h32

Os presidentes do Chile, MichelleBachelet, e do Peru, Alan García, conversaram rapidamente, nasexta-feira, sobre o embate existente entre os dois países arespeito de suas fronteiras marítimas. O encontro aconteceu em meio à 17a Cúpula Ibero-Americana edurou pouco mais de meia hora. A reunião, ocorrida em um doslocais da cúpula, é a primeira realizada pelos dois mandatáriosdurante o evento, iniciado na noite de quinta-feira e que deveestender-se até sábado. O ministro chileno das Relações Exteriores, AlejandroFoxley, informou que o encontro de Bachelet com García abordou"de passagem" a desavença a respeito dos limites marítimos e aintenção, anunciada pelo Peru, de levar o caso à CorteInternacional de Justiça de Haia. "Não se discutiu esse tema com detalhe ou em profundidade.Foi dito simplesmente que o tema passava por consideraçõesjurídicas e que não deveria ser exacerbado. Foi dito também quea questão não deveria prejudicar o avanço de iniciativas deinteresse mútuo", afirmou Foxley a repórteres. O Chile afirma que sua fronteira marítima com o Perudefiniu-se em convênios assinados pelos dois países em 1952 e1954, mas o governo peruano argumenta que tais acordos nãoconstituem um tratado de fronteira. As relações entre os dois países passaram por altos ebaixos depois da guerra travada entre ambos no final do século19, mas os governos chileno e peruano realizaram, recentemente,esforços claros para melhorá-las. Há pouco tempo, o Chile devolveu ao Peru centenas de livroslevados pelos soldados chilenos de Lima, durante a guerra. E,segundo Foxley, García agradeceu Bachelet por esse "gesto deamizade." O chanceler disse ainda que o presidente peruano recebeubem a notícia de que o Chile iniciará um processo pararegularizar a situação de milhares de peruanos imigrantes queentraram ilegalmente no território chileno. Foxley afirmou que García e Bachelet realizaram também umbalanço sobre o avanço dos acordos comerciais e dos esforços aserem feitos em torno de uma eventual aliança para chegarem aosmercados asiáticos servindo-se do oceano Pacífico. REUTERS MPN

Tudo o que sabemos sobre:
ChilePeru

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.