Peru lança apelo por vítimas de terremoto

Duas semanas depois de tremores, milhares continuam desabrigados no país.

BBC Brasil, BBC

30 de agosto de 2007 | 03h12

O governo do Peru lançou um apelo nesta quarta-feira por mais barracas para as 200 mil pessoas que ficaram desabrigadas devido ao terremoto que atingiu o país há duas semanas.Segundo o governo peruano, a maior parte das vítimas permanece sem abrigo.O Instituto Nacional de Defesa Civil do Peru (Indeci) diz que não há mais barracas para os desabrigados e pediu que as agências internacionais e os países que estão fazendo doações ao Peru aumentem a ajuda.Conforme o Indeci, a situação é agravada pelo inverno particularmente frio no Peru.Agências de ajuda humanitária também relataram os problemas enfrentados pelas vítimas do terremoto. As agências afirmam que dezenas de milhares de pessoas ainda estão vivendo nas ruas, sem condições básicas de higiene.De acordo com um porta-voz da organização não-governamental Médicos Sem Fronteiras, Juan Encinas, em muitas localidades remotas a situação permanece a mesma desde o dia do terremoto, há duas semanas.Segundo Encinas, na cidade de Guadalupe, a cerca de 290 quilômetros ao sul de Lima, mais de 10 mil pessoas estão vivendo nas ruas e continuam à espera de ajuda. Os hospitais da região também permanecem superlotados.A Cruz Vermelha Internacional afirma que o fornecimento de ajuda básica para regiões remotas tem sido insuficiente.As agências também afirmam que muitas pessoas que sofreram traumas psicológicos não estão recebendo tratamento, e que muitas crianças ainda não puderam voltar à escola.O terremoto de 7,9 graus na Escala Richter que atingiu o Peru deixou mais de 500 mortos e mil feridos.O governo lançou um ambicioso programa de reconstrução e afirma que dentro de seis meses serão entregues novas casas às primeiras vítimas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
peruterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.