Peru leva caso de espionagem chilena à Unasul e à OEA

Declaração aprovada pelo Congresso 'repudia ato' e 'denuncia política armamentista do Chile'

estadao.com.br,

18 Novembro 2009 | 11h28

 A Comissão de Relações Exteriores do Congresso do Peru aprovou uma declaração em repúdio às supostas espionagens realizadas por um militar peruano, direcionadas ao Chile. O texto será enviado aos países-membros da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e da Organização dos Estados Americanos (OEA), segundo informou o parlamentar e ex-chanceler peruano Luis González Posadas.

 

Veja também:

Atritos tiveram início há 130 anos 

 

As relações entre os dois países já andavam estremecidas havia meses, mas azedaram de vez no fim de semana, quando presidente peruano, Alan García, acusou o Chile de cooptar um militar peruano para espionar para o seu governo. De acordo com Lima, o suboficial da Força Aérea Víctor Ariza foi recrutado pelo Chile sete anos atrás e recebia US$ 3 mil mensais para repassar informações relativas ao arsenal, os planos de contingência e a identidade dos alunos da escola de inteligência da Aeronáutica peruana. As provas do esquema estariam no computador de Ariza e em documentos encontrados com ele.

 

Em agosto, García já tinha denunciado um acordo secreto entre o Chile e a Bolívia, que daria saída para o mar para os bolivianos, mas prejudicaria os interesses de Lima. Além disso, em duas ocasiões, em 2008, o Chile disse ter sido vítima de espionagem dos peruanos. Na mais grave, funcionários da embaixada chilena em Lima tiveram seus e-mails vasculhados por um hacker, supostamente a serviço da inteligência do Peru.

 

O texto em repúdio às supostas espionagens será enviado aos países-membros da Unasul e da OEA, segundo informou o ex-chanceler. "Foi aprovada uma declaração que contém três pontos. Primeiro, repudiar a espionagem do Chile; segundo, denunciar a política armamentista por parte do governo deste país; e terceiro, ratificar a política pacifista e integradora do Peru", comentou Posadas. O parlamentar também destacou que é "ofensivo que se espie e corrompa membros das Forças Armadas de um país amigo como o Peru, que generosamente esticou sua mão de fraternidade e abriu as portas ao Chile para estabelecer uma relação bilateral".

 

A declaração foi aprovada após os ministros peruanos das Relações Exteriores, José Antonio García Belaúnde, e da Defesa, Rafael Rey, comparecerem à sessão da Comissão de Relação Exteriores do Congresso.

  

Na madrugada da terça-feira, García disparou contra o país vizinho, qualificando-o de "republiqueta" e considerando os atuais fatos como "repulsivos, que não correspondem a um país democrático e deixam mal a presidência do Chile". A presidente chilena, Michele Bachelet, respondeu às críticas do peruano de forma diplomática. "São acusações ofensivas que nada contribuem para cooperação e a integração. Esse é o momento de trabalhar pelo bem-estar de nossos povos e o que deve primar é o respeito e a responsabilidade das autoridades".

 

Pouco depois, o chanceler peruano, José Antonio García Belaúnde, anunciou que as provas do ato de espionagem seriam entregues a Santiago, que nega as acusações. As provas citadas pelo chanceler estariam no computador do próprio suposto espião.

 

(Com informações de Ansa e O Estado de S. Paulo)

Mais conteúdo sobre:
Peru Chile espionagem García Bachelet

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.