Peru não se pronuncia sobre expulsão de jornalista para Rússia

Para governo peruano, assunto diz respeito a acordo entre Rússia e Estados Unidos

Efe

09 de julho de 2010 | 17h32

LIMA - O ministro de Relações Exteriores do Peru, José Antonio García Belaúnde, disse nesta sexta-feira, 9, que o Governo do país não irá se pronunciar sobre a expulsão da jornalista Vicky Peláez para Moscou, porque isso corresponde a um acordo entre os Estados Unidos e a Rússia.

 

A repórter de origem peruana e outras nove pessoas acusadas nos Estados Unidos de terem espionado para a Rússia foram trocadas hoje na Áustria por quatro cidadãos russos que cumpriam pena por trabalharem para os serviços secretos americanos, confirmou Washington.

 

García Belaúnde disse à agência estatal "Andina" que a atual situação de Peláez é parte de um acordo entre os Governos do Estados Unidos e a Federação Russa, motivo pelo qual o Executivo peruano não tem que se pronunciar sobre o caso.

 

Em um de seus últimos contatos com seu advogado, Carlos Moreno, a jornalista comentou sua intenção de morar no Peru ou no Brasil assim que sua expulsão dos Estados Unidos seja concluída.

 

Moreno disse que não ter certeza sobre a culpabilidade de Peláez e que, no mais, a resolução do caso respondeu a um acordo político.

 

O advogado acrescentou que os filhos de Peláez e Mikhail Vasenkov, o verdadeiro nome de seu marido, permanecerão nos Estados Unidos, pois não foram prejudicados pelas acusações contra seus país.

Tudo o que sabemos sobre:
EspionagemPeruRússiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.