Pesquisa prevê Carta aprovada em principais cidades da Bolívia

Sondagem aponta que proposta de Constituição de Evo ganhará em cinco de nove grandes núcleos urbanos

Efe,

25 de novembro de 2008 | 13h51

O projeto de Constituição que será submetido a referendo em 25 de janeiro de 2009 na Bolívia ganhará em cinco dos nove principais núcleos urbanos, segundo uma pesquisa publicada nesta terça-feira, 25, pelo jornal El Deber. A sondagem, realizada pela empresa privada Equipos Mori, mostra que o texto constitucional vencerá nas capitais de La Paz, Oruro, Cochabamba e Potosí, além de El Alto, enquanto perderá em Santa Cruz, Trinidad e Tarija. O El Deber, jornal de maior tiragem em Santa Cruz, não assinala qual seria a projeção nacional da pesquisa e explica que não a fez em Cobija, capital do departamento (estado) de Pando, por causa das dificuldades impostas pelo estado de sítio. O projeto de Carta Magna que será votado em janeiro será o acordado entre governo e oposição no Congresso em meados de outubro, no qual foram introduzidas mais de 100 modificações no texto apresentado inicialmente pela Assembléia Constituinte. Os movimentos autonomistas de oposição ao presidente da Bolívia, Evo Morales, já começaram a fazer campanha pelo "não", em contraste com o decidido apoio do governo ao "sim". Segundo a sondagem, a nova Constituição vencerá com 47% em La Paz, ganhará com 55% em Oruro, 59% em Potosí, 37% em Cochabamba, enquanto em El Alto, reduto de Morales, terá triunfo arrasador com 86%. As cidades onde o projeto de Constituição perderá são Santa Cruz, com 60% dos votos, Trinidad (43%), Tarija (53%), além de Sucre, com oposição de 67% dos eleitores. O jornal boliviano destaca o percentual de indecisos, que diz chamar a atenção, já que atinge quase um terço dos entrevistados em La Paz e Cochabamba, e ronda 20% em Santa Cruz, Trinidad e Tarija. A pesquisa foi realizada entre 25 de outubro e 5 de novembro, com dois mil entrevistados e tem margem de erro de 3,09 pontos percentuais.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.