Piedad Córdoba compara governo de Álvaro Uribe ao de Hitler

'Este governo tem a capacidade de governar midiaticamente, assim como fazia Hitler, e esconde escândalos'

Efe,

06 de junho de 2008 | 03h41

A senadora opositora colombiana Piedad Córdoba comparou nesta quinta-feira, 5, o governo do presidente Álvaro Uribe ao de Adolf Hitler. Para ela, as recentes críticas do governo aos opositores pretendem esconder o escândalo da chamada "parapolítica", no qual já foram presos 33 congressistas e ex-congressistas, e são investigados outros 30, em sua maioria de partidos próximos ao presidente Uribe. "Este governo tem a capacidade de governar midiaticamente, assim como fazia Hitler, o que lhe permite esconder escândalos", assinalou a legisladora. Córdoba intermediou no ano passado, junto ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez, a libertação de reféns das Farc a pedido de Uribe, que cancelou a mediação após saber que estavam contatando militares colombianos sem a sua permissão. O presidente Uribe assinalou nesta quinta, durante uma cerimônia na cidade de Cartagena de las Índias, que "enquanto alguns políticos da oposição agem como defensores de terroristas", o ministro da Defesa, os altos comandantes e ele próprio "se mantêm preocupados em cercá-los de proteção total, de efetiva segurança". "Têm garantias, em nome da liberdade, para fazer apologia do delito. E o Governo faz apenas tímidos comentários", disse o chefe do Estado. Piedad Córdoba já havia feito outras críticas ao Governo na quarta-feira, durante um fórum estudantil em Medellín. Nessa reunião, a parlamentar defendeu o antigo fundador e chefe das Farc Pedro Antonio Marín, conhecido como "Manuel Marulanda" ou "Tirofijo", que morreu em 26 de março, aparentemente por causa de um ataque cardíaco. "Meu compromisso é com a paz e com os atores que lutam para alcançá-la, e por isso não me arrependo de nada do que disse", afirmou. A congressista é investigada por supostas ligações com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Mais conteúdo sobre:
FarcÁlvaro UribeHitler

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.