Piñera acusa governo de Bachelet de intervir 'abusivamente'

Candidato direitista recebeu críticas da presidente; segundo turno no Chile ocorre neste domingo

estadao.com.br,

15 de janeiro de 2010 | 15h23

O candidato direitista à presidência do Chile, Sebastián Piñera, acusou o governo da presidente Michelle Bachelet nesta sexta-feira, 15, de intervir "abusivamente" na campanha política ao apoiar o candidato governista, o ex-mandatário Eduardo Frei, segundo a agência AFP.

 

Veja também:

Enríquez-Ominami anuncia apoio a Frei no segundo turno

 

"É abusivo o que o governo fez. Usou e abusou de recursos públicos, usou e abusou das instituições públicas, usou e abusou inclusive dos funcionários públicos", disparou Piñera em uma entrevista à Rádio Corporativa.

 

Na quinta-feira, Bachelet disse que votaria em Frei por considerá-lo uma pessoa "honesta", já que quando foi presidente, em 1994, soube separar negócios e política, o que foi visto como uma clara mensagem crítica contra Piñera, um multimilionário com interesses em vários setores da economia chilena.

 

VEJA TAMBÉM:
documento Análise: Diferença ideológica entre candidatos é pequena no Chile
documento Perfis dos candidatos
video TV Estadão: analistas discutem 1º turno

A declaração de Bachelet foi a última de uma série destinada a apoiar Frei, derrotado por Piñera no primeiro turno de 13 de dezembro por 44% a 30% dos votos.

 

Piñera, dono de uma fortuna de US$ 1,2 bilhão, reiterou seu compromisso de vender algumas de suas empresas caso se torne o presidente e chamou o governo de "mal intencionado" por repetir acusações sobre a incompatibilidade entre seus papeis de empresário e político.

 

Ironizando o fato de que os membros da coalizão governista de esquerda Concertación levam anos para sair do poder, Piñera Dise que "lhes faria muito bem, depois de 20 anos, viver a vida da forma normal e corrente que vivem milhões de chilenos. Não é tão ruim levantar cedo, trabalhar de forma honesta, ganhar a vida e seguir adiante com sua família".

 

O ministro do interior, Edmundo Pérez Yoa, rejeitou as acusações. "O que se tem pretendido é imobilizar o governo, imobilizar a presidente para que não possamos expressas nossas opiniões, mas nós somos atores políticos e assim continuaremos", disse.

 

O segundo turno das eleições no Chile ocorre neste domingo. O candidato independente Enríquez-Ominami anunciou apoio a Frei no segundo turno e a diferença entre o candidato governista e Piñera caiu drasticamente.

Tudo o que sabemos sobre:
ChilePiñeraBacheletFrei

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.