Geraldo Caso/Efe
Geraldo Caso/Efe

Piñera pede a Bachelet que use 'todos os meios' contra saques

'Roubo, vandalismo e delinquência não têm nada a ver necessidades das vítimas', diz presidente eleito do Chile

Efe,

28 de fevereiro de 2010 | 21h25

O presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera, pediu neste domingo, 28, ao governo de Michelle Bachelet que freie os saques e os atos de vandalismo nos locais mais atingidos pelo terremoto que no sábado assolou o centro e sul do país. "Este tema de roubo, vandalismo e delinquência não tem nada a ver com atender as necessidades das vítimas", disse Piñera, que pediu a Bachelet que utilize "todos os instrumentos" da lei e da Constituição para interromper os saques às lojas e aos supermercados em Concepción, Santiago e outras cidades do país.

 

O futuro líder disse que em cidades como Concepción e Talcahuano "estão se permitindo a proliferação de um ambiente para roubos, vandalismo e delinquência, o que está agravando as consequências do terremoto", que já deixou mais de 700 mortos e 2 milhões de desabrigados. Piñera, que hoje percorreu as áreas de Maule e de Bio-Bio de aeronave, as mais atingidas pelo sismo, indicou que "certamente" o número de mortos "continuará crescendo", pelo fato de existirem ainda vítimas sob os escombros dos prédios destruídos e um grande número de desaparecidos.

  

Veja também:

especialESPECIAL: entenda o terremoto no Chile

linkChile terá distribuição de alimentos após saques

linkNovo tremor abala o Chile neste domingo, de 6,1 graus

linkHillary Clinton embarca hoje para América Latina

linkLINK: Google cria site para desaparecidos do Chile

 

"O impacto deste terremoto e esta calamidade é mais profundo, danoso e grave do que se pensava", assinalou o presidente eleito, que hoje mesmo se reunirá com Michelle Bachelet para coordenar a resposta diante da catástrofe. Nesse sentido, reiterou que sua equipe de governo se colocou à disposição do Executivo "para colaborar em tudo o que for necessário em um clima e um ambiente de união nacional".

 

Ele lembrou que a tarefa de coordenar a emergência nos próximos dias corresponde à atual Administração, mas a reconstrução das áreas afetadas será feita no seu mandato, que começará em 11 de março. "É claro que o terremoto não estava em nosso programa de governo, e, portanto, vamos ter de adequá-lo ao nosso projeto para enfrentar esta enorme tarefa, desafio e responsabilidade que vai exigir um esforço gigantesco de todo o país", apontou.

 

O líder eleito afirmou que seu gabinete está preparando a reconstrução do país com o plano "Levantemos Chile", que contará com apoio da iniciativa privada. "A magnitude demonstra a ampla capacidade do Estado de enfrentá-la", admitiu Piñera, quem lembrou que este terremoto não é a primeira catástrofe que o país vive. "O Chile é um país que tem na sua história muitos desastres e sempre, unidos, soubemos enfrentar a adversidade e espero que essa unidade e esse caráter estejam agora mais fortes do que nuca", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Chileterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.