Piñera pede rapidez na aprovação do plano de reconstrução do Chile

Programa propõe aumento de impostos para aqueles que 'têm mais oportunidades para poder ajudar'

19 de abril de 2010 | 12h55

SANTIAGO - O presidente Sebastián Piñera reiterou ontem, em Valparaíso, o chamado a todas as forças políticas do país para respaldar o plano de financiamento para a reconstrução do Chile, que deu a conhecer na quinta passada.

 

"Quero pedir com muita força e muita esperança ao Congresso de nosso país que aprovemos as leis para que a reconstrução e o cumprimento do programa de governo, que os chilenos e chilenas escolheram livre e democraticamente, se ponham em marcha com toda a força do mundo", enfatizou o chefe de Estado.

 

Segundo o jornal La Nación, o mandatário realizou uma férrea defesa do plano que permitirá obter os recursos necessários para reedificar as zonas mais afetadas pelo terremoto e tsunami de 27 de fevereiro e que contempla, entre outras medidas, o aumento de impostos para as grandes empresas, para o tabaco e um aumento transitório dos impostos para as propriedades cujo valor fiscal supere os 96 milhões de pesos.

 

"No programa de financiamento proposto, estamos pedindo um esforço àqueles que têm mais, aos que têm mais oportunidades para poder ajudar melhor aos que têm menos e aos que tiveram menos oportunidades", acrescentou.

 

Na mesma linha de discurso, explicou que "não apenas vamos reconstruir nosso país, mas também construir um país com mais unidade, mais solidariedade e maior fraternidade".

 

Reparos

 

Pouco antes, em Santiago, o Partido da Democracia Cristã apreciou a proposta presidencial, mas espera que se realizem algumas modificações no plano.

 

O líder do partido, Juan Carlos Latorre, e os legisladores Ximena Rincón e Patricio Vallespín estimaram que a alta dos impostos para as empresas deveria ser de 22% e permanente.

 

"Chile é um dos países do mundo onde se aplicam as menores taxas tributárias para as grandes empresas", manifestou Latorre.

 

Eles também rejeitaram a possível venda de bens descartáveis do Estado.

 

Opinião semelhante foi a do PPD, onde os deputados Pepe Auth e Jorge Tarud pediram a ampliação da convocatória da Comissão do Fundo Nacional para a Reconstrução não ser constituído apenas por pessoas do Executivo.

 

Quanto ao aumento de impostos, Tarud Piñera disse que Piñera "teve uma enorme coragem para propor ao país um programa completo de aumentos de impostos, especialmente para as empresas. Digo isto porque o setor sempre foi muito relutante em aumentar os impostos."

 

Com ironia, Auth disse que "o que aconteceu aqui é uma ginástica acrobática da direita. O que ontem foi queimado na fogueira, agora é adorado", referindo-se ao fato de que partido sempre votou contra o aumento dos impostos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.