Pistoleiro assassina dirigente sindical na Colômbia

Um líder sindical foi assassinado com um tiro na cabeça por um pistoleiro na cidade colombiana de Medellín, informou nesta sexta-feira um sindicato, no mais recente caso de violência que poderá manter congelada a entrada em vigência de um tratado de livre-comércio com os Estados Unidos.

REUTERS

13 de agosto de 2010 | 17h36

A Confederação Geral do Trabalho (CGT) disse que seu tesoureiro no departamento de Antioquia, Luis Germán Restrepo, foi vítima do ataque que acabou com sua vida na quinta-feira à noite, o primeiro crime contra um sindicalista registrado no governo do recém-empossado presidente Juan Manuel Santos.

"Restrepo foi vítima de um atentado que custou sua vida nas mãos de um assassino, que lhe deu um tiro na cabeça", informou a CGT em comunicado.

A vítima tinha uma experiência de mais de 40 anos na atividade sindical e era tesoureiro da entidade e presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Embalagens de Antioquia.

A polícia informou que, até o momento, não tem indícios claros sobre os autores e as causas do assassinato de Restrepo, casado e pai de cinco filhos.

Embora a Colômbia seja considerada o principal país aliado dos Estados Unidos na América Latina, no momento em que governantes de esquerda ganharam influência na região, Washington não conseguiu impulsionar a ratificação do acordo comercial.

A violência contra dirigentes sindicais é a principal desculpa da bancada democrata no Congresso dos Estados Unidos para não apoiar a ratificação de um Tratado de Livre Comércio, assinado entre Bogotá e Washington em 2006.

De acordo com um relatório da Confederação Sindical Internacional, 48 ativistas trabalhistas foram assassinados na Colômbia em 2009, a situação mais violenta contra sindicalistas em todo o mundo.

Santos, que assumiu no sábado a Presidência no lugar de Alvaro Uribe, se comprometeu a combater os grupos armados ilegais e a proteger setores vulneráveis, como líderes sindicais e defensores de direitos humanos.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIASINDICATOMORRE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.