Polícia chilena dispersa protestos estudantis em Santiago

Estudantes se manifestaram contra reforam educacional proposta por Bachelet

AP

24 de abril de 2008 | 16h40

A polícia chilena usou bombas de gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar manifestações estudantis na capital, Santiago e em outras cidades nesta quinta-feira, 24. Os estudantes protestavam contra uma reforma educacional proposta pelo governo.   Milhares de estudantes se juntaram às marchas. A polícia afirma ter detido cerca de 250 pessoas nesta tarde. As manifestações foram menores que as de 2006, quando a presidente Michelle Bachelet propôs reformar o sistema educacional vigente desde o início da ditadura Pinochet, em 1973.   As reformas de Bachelet ainda estão em discussão no Congresso. O estudantes dizem que a proposta falha ao não retirar o controle municipal sobre as escolas públicas, o que, segundo eles, prejudica os alunos de comunidades pobres.   "Nós não queremos pequenas mudanças na lei", disse o líder estudantilLuis Millas. "Nós queremos que o governo federal assuma a responsabilidade pela educação".   Os estudantes também querem acesso gratuito ao transporte público. Eles agora pagam um terço da tarifa.

Tudo o que sabemos sobre:
Chileestudantesprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.