Polícia colombiana descobre explosivos que seriam usados contra Uribe

Explosivos também seriam usados pelas FARC para sabotar as eleições legislativas de domingo, segundo policiais

Efe,

12 de março de 2010 | 20h11

A Polícia colombiana encontrou nesta sexta-feira, 12, centenas de quilos de explosivos que supostamente seriam utilizados em um atentado contra o presidente do país, Álvaro Uribe, e na sabotagem das eleições legislativas do próximo domingo.

 

Veja também:

Estadão de hoje: Farc dão coordenadas para resgate de reféns

 

Os explosivos foram encontrados na cidade de Neiva, capital do departamento (estado) de Huila, no sul do país. A ação foi possível graças à confissão de um guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) que se entregou na semana passada, como confirmou à imprensa o comandante de Polícia da região, coronel Flavio Mesa.

 

"Esse plano fracassou", disse Mesa. Segundo ele, o guerrilheiro declarou que o ataque foi adiado por razões logísticas. O atentado deveria ser cometido pela "coluna móvel Teófilo Forero", uma unidade de elite das FARC, acrescentou o coronel.

 

A Polícia de Neiva, que deteve duas pessoas, encontrou explosivos, rampas para lançar projéteis e bujões de gás repletos de estilhaços em um esconderijo subterrâneo no interior de uma casa.

 

Em outra operação, a Polícia apreendeu 317 quilos de explosivos R1, três granadas de fragmentação, um revólver e balas calibre 32 em Barbosa, localidade da área metropolitana de Medellín (noroeste).

 

Essas armas teriam sido usadas pelo Exército de Libertação Nacional (ELN), outra guerrilha que opera na Colômbia, e que também pretendia sabotar as eleições do domingo.

 

Segundo a Polícia, os rebeldes pretendiam atacar a infraestrutura elétrica e interromper a transmissão dos dados eleitorais de vários municípios do departamento de Antioquia.

 

Aparentemente, essas sabotagens estavam sendo preparadas pela Frente Bernardo López Arroyave do ELN.

 

Além disso, dois carros-bomba foram desativados, um deles com placa da Venezuela. A polícia supõe que os veículos foram abandonados na fronteira por membros das FARC.

 

Também nesta quinta-feira, na zona rural de Argelia, em Antioquia, o Exército apreendeu 1,5 tonelada de explosivos R15; enquanto em Palmira, cidade próxima a Cali (sudoeste), foram encontrados outros 400 quilos do explosivo Anfo e 390 de nitrato de amônia.

 

Apesar destas operações, o ministro da Defesa colombiano, Gabriel Silva, disse nesta sexta à Agência Efe que as eleições legislativas do domingo serão as mais seguras dos últimos 25 anos, já que as guerrilhas não puderam executar seus planos.

Tudo o que sabemos sobre:
FARCColômbiaexplosivosÁlvaro Uribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.