Polícia cubana dissolve ato de familiares de dissidentes políticos

Damas de Branco lideram protesto pela libertação de maridos detidos por conspiração com os EUA contra Cuba

Agências internacionais,

21 de abril de 2008 | 11h46

Membros da polícia e das forças de segurança cubanas reprimiram nesta segunda-feira, 21, um protesto do grupo Damas de Branco, integrado por mulheres de dissidentes cubanos condenados em 2003. O ato acontecia na frente da Praça da Revolução, em Havana, onde os manifestantes exigiam a libertação dos familiares.  Foto: Efe As mulheres foram levadas em um ônibus após recusarem pedidos para se retirarem do local, segundo afirmou o governo cubano, por meio do Ministério do Interior. "Elas não foram detidas, vamos apenas tirá-las daqui", disse um dos agentes consultados pela imprensa.  Foto: Efe "Estamos pedindo a liberdade incondicional e imediata dos presos políticos", disse a jornalista Berta Soler, membro do grupo. Entre as Damas de Branco que integravam o protesto estava Laura Pollán, mulher de Héctor Maseda, um jornalista independente que foi condenado a 20 anos de prisão. Neste ano, o grupo lembrou o aniversário de cinco anos da onda repressiva que levou à prisão de 75 parentes das mulheres, com penas de até 28 anos de prisão por supostamente conspirar com os Estados Unidos. Desse grupo, 55 permanecem presos. O governo comunista cubano qualifica os dissidentes como "mercenários" a serviço dos EUA.

Tudo o que sabemos sobre:
CubaDamas de Branco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.