Polícia da Colômbia prende 3º suspeito de envolvimento em atentado

Carro-bomba detonado na capital deixou 36 feridos na quinta; autoria ainda não foi reivindicada

Efe,

17 de agosto de 2010 | 19h08

Restos de carro-bomba que explodiu na quinta passada em Bogotá

 

BOGOTÁ- As autoridades colombianas prenderam nesta quarta-feira, 17, um terceiro suspeito de ter perpetrado o atentado de quinta-feira passada em Bogotá, que deixou 36 feridos e causou danos aos prédios onde ficam os escritórios da Caracol Radio e da agência Efe, informou a polícia.

 

Veja também:

linkChanceleres do Equador e da Colômbia se reunirão no fim do mês

linkSantos descarta diálogo com as Farc

linkGuerrilheiros explodem oleoduto na Colômbia e geram emergência ambiental

 

O suspeito, cuja identidade não foi revelada, está sendo interrogado para determinar se teve envolvimento no atentado realizado com um veículo carregado com 50 kg de explosivos.

 

As investigações sobre o atentado "seguem um bom caminho", disse hoje o ministro de Defesa colombiano, Rodrigo Rivera. Segundo ele, no entanto, nenhuma hipótese foi descartada sobre quem colocou o carro-bomba e qual era o objetivo do ataque.

 

A ação terrorista não teve ainda autoria reivindicada. O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, ofereceu uma recompensa de mais de US$ 275 mil por informações que permitam levar aos autores do atentado.

 

Um dia depois do ocorrido, um homem identificado como Gustavo Ladino se entregou e admitiu ter falsificado a matrícula do veículo, de marca Chevrolet, usado pelos terroristas.

 

No entanto, Ladino esclareceu que não teve nenhuma responsabilidade no planejamento do atentado nem na colocação do material explosivo, e agora é testemunha protegida.

 

No sábado, as autoridades prenderam Adelmo López, acusado de ocultar durante vários dias o veículo usado para cometer o atentado, que segundo as autoridades foi roubado no sul de Bogotá duas semanas antes do incidente.

 

O jornal colombiano El Tiempo publica hoje que López se tornou peça-chave da investigação, pois, da mesma forma que Ladino, se ofereceu como testemunha protegida para colaborar e relatou a descrição física de três homens que supostamente fazem parte do grupo mentor e executor da ação.

 

O atentado aconteceu na quinta-feira passada por volta das 5h30 local (7h30 de Brasília), hora em que o dia comercial no país ainda não havia começado, o que evitou maiores consequências.

 

O último balanço do Sistema Distrital de Prevenção e Atendimento de Emergências de Bogotá afirmou que 808 pessoas foram afetadas de alguma forma, 424 casas sofreram danos e 36 pessoas ficaram feridas, mas todas receberam alta do hospital horas depois do atentado.

 

Além disso, a explosão causou danos em 124 estabelecimentos comerciais, dezenas de escritórios e 18 veículos.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbiaatentadocarro-bombaBogotá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.