Reprodução/El Nacional
Reprodução/El Nacional

Polícia da Venezuela entra em jornal proibido de publicar conteúdo violento

Agentes cumprem investigação após 'El Nacional' publicar foto de cadáveres em necrotério

Efe,

18 de agosto de 2010 | 23h20

CARACAS- Policiais venezuelanos entraram nesta quarta-feira, 18, na sede do jornal El Nacional para recolher dados sobre a foto de cadáveres do necrotério de Caracas publicada na capa da edição de 13 de agosto e objeto de uma investigação.

 

Veja também:

linkChávez critica imprensa privada venezuelana por fotos de violência

linkJornais alegam sofrer censura após proibição

 

Segundo o site do jornal, policiais judiciais acompanhados de representantes da Promotoria chegaram à sede do veículo para "cumprir a investigação da Promotoria contra o jornal após a publicação de uma foto de fatos".

 

Os policiais, diz o El Nacional, pediram o arquivo digital da foto, interrogaram o chefe do departamento de fotografia e levaram um exemplar da edição de 13 de agosto.

 

Um representante do diário relacionou a visita policial com a divergência existente sobre quando a foto foi tirada, já que o jornal sustenta que foi em 29 de dezembro de 2009 - a polícia crê que foi em 2006.

 

A publicação da foto, que mostra corpos nus e ensanguentados em macas e no chão do necrotério, fez com que a Sala 12 do Tribunal de Proteção de Crianças e Adolescentes de Caracas proibisse ontem a reprodução de imagens similares.

 

A decisão do tribunal foi amplamente criticada por associações jornalísticas e por representantes da oposição venezuelana, que a consideraram como um ataque à liberdade de expressão.

 

A edição de hoje do El Nacional apareceu com a palavra "censura" nos espaços onde habitualmente se publicam notícias sobre crimes.

 

A proibição, que foi classificada pelo tribunal como "medida preventiva" e será aplicada "até que se decida o fundo da presente "Ação de Proteção", não afeta só o El Nacional, mas também o jornal Tal Cual, que reproduziu a mesma foto um dia depois.

 

Os dois jornais são críticos ao governo, e usaram a imagem polêmica para ilustrar uma reportagem sobre o aumento da criminalidade na Venezuela.

 

O índice de criminalidade no país se torna cada vez mais alarmante. De acordo com cifras oficiais, ocorreram 12.257 homicídios nos primeiros onze meses de 2009, colocando a Venezuela entre os países mais violentos da América Latina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.