Polícia e partidários de Zelaya se enfrentam em Honduras

25 ficaram feridos e 88 acabaram presos em protesto pró-líder deposto; um manifestante foi baleado na cabeça

Associated Press,

30 de julho de 2009 | 18h06

 

TEGUCIGALPA - Manifestantes pró-Manuel Zelaya, presidente deposto de Honduras, e forças de segurança do governo de facto voltaram a se enfrentar nesta quinta-feira, 30, em Tegucigalpa. Cerca de 2 mil pessoas foram dispersadas com gás lacrimogêneo quando bloqueavam uma das principais vias de acesso à capital. Vinte e cinco manifestantes ficaram feridos e 88 acabaram presos.

 

Veja também:

linkProcuradoria de Honduras faz nova denúncia contra Zelaya

linkCongresso adia resposta ao plano da Costa Rica

som Enviado do "Estado" comenta manifestações pró-Zelaya 

lista Perfil: Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

especialPara analistas, pressão econômica seria a saída

 

 

Milhares de simpatizantes de Zelaya têm protestado de forma ininterrupta desde 28 de junho, quando o presidente foi deposto pelos militares. Nesta quinta, um manifestante foi atingido por uma bala na cabeça, mas não está claro de onde saiu o disparo. "Chama-se Roger Vallejos, tem uma bala na cabeça, mas não sabemos em que circunstâncias foi", afirmou o porta-voz da polícia Daniel Molina.

 

 

Enquanto isso, o Congresso hondurenho adiou para a próxima segunda-feira um debate sobre anistia a Zelaya, um dos pontos do plano para resolver o impasse proposto pela Costa Rica. Outras sugestões de Arias incluem a restituição da presidência a Zelaya e a antecipação das eleições, já rejeitada pelo Tribunal Eleitoral.

 

Texto atualizado às 19h51.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.