Polícia enfrenta estudantes que protestavam contra Evo

Jovens reclamam do projeto do presidente boliviano de reduzir a renda do petróleo para a cidade de Santa Cruz

Efe,

25 de outubro de 2007 | 07h37

Um grupo de universitários bolivianos que protestava contra um projeto de lei do presidente Evo Morales na cidade de Santa Cruz foi dispersado pela polícia na quarta-feira, 24, informou a imprensa boliviana.   A polícia usou gás lacrimogêneo contra os universitários, que tentaram tomar a sede do Fisco em Santa Cruz, no leste da Bolívia, durante uma manifestação. Eles protestavam contra o projeto de Evo de reduzir a renda do petróleo para a região. Os estudantes enfrentaram os agentes com pedras.   O choque aconteceu em meio a protestos organizados por diversas organizações cívicas contra o projeto do governo de destinar parte dos recursos do Imposto Direto sobre Hidrocarbonetos (IDH) ao pagamento de uma renda vitalícia para os bolivianos com mais de 60 anos.   Segundo a imprensa, 10 pessoas, entre elas universitários e agentes da Polícia, sofreram ferimentos leves. Cinco manifestantes foram detidos.   Santa Cruz é a região mais rica do país e reduto da oposição a Morales. O protesto teve a participação do Comitê Cívico de Santa Cruz, liderado pelo empresário Blanco Marinkovic, um dos maiores inimigos políticos do Governo.   Marinkovic pediu calma aos universitários, disse que a manifestação foi "pacífica" e pediu ao presidente Morales "que olhe o que o povo boliviano quer, e não somente o que dizem seus ministros".   A manifestação foi marcada pelas músicas contra o governo e pelas alusões à relação de Morales com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEvoestudantesprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.