Polícia prende 350 em protesto contra economia no Chile

Senador governista que participava dos protestos ficou ferido; Bachelet mostrou irritação com falta de lealdade

Associated Press,

29 de agosto de 2007 | 10h59

Utilizando gás lacrimogêneo, canhões d'água e cassetetes, a polícia conteve nesta quarta-feira, 29, manifestantes em Santiago participando de um protesto nacional por mudanças nas políticas econômica e social no Chile. Autoridades disseram que 350 pessoas foram detidas, mas os confrontos continuavam em várias cidades chilenas.   Imagens de tevê mostraram o senador Alejandro Navarro, do Partido Socialista, da presidente Michelle Bachelet, sangrando na cabeça depois de ter sido atingido com um cassetete por um policial. O vice-ministro do Interior Felipe Harboe disse que o incidente seria investigado.   Navarro, que foi atendido num hospital próximo, apóia o protesto convocado pela maior central sindical do país contra políticas econômicas de livre mercado e a falta de políticas sociais mais abrangentes. Navarro levou um golpe de cassetete de ferro na cabeça, aplicado por um policial.   O governo de Bachelet "está fazendo coisas muito erradas", opinou o líder sindical Arturo Martinez, presidente da Central Unitária de Trabalhadores (CUT), outro membro do Partido Socialista. O foco dos protestos em Santiago foi a Praça Itália, onde 2,000 pessoas se concentraram.   O governo de centro-esquerda de Bachelet tem mantido um modelo econômico neoliberal, que incluiu acordos de livre comércio com os Estados Unidos. Os organizadores do protesto pedem aposentadorias mais altas e mais investimentos em educação, saúde e moradia.   A polícia tentou impedir passeatas até o centro de Santiago, mas os manifestantes bloquearam o trânsito em importantes cruzamentos. Foi quando a polícia fez a intervenção e começou a violência.   A presidente Bachelet parece estar particularmente irritada com membros de sua coalizão que apóiam os protestos. "Não vou aceitar que minha dedicação à justiça social não seja reconhecida", disse ela na noite de ontem.   O líder sindical Martínez ressaltou que o protesto "é o rechaço ao modelo neoliberal" e ocorre em um momento no qual a economia chilena cresce 6%, com baixo desemprego e um forte superávit nas contas do governo, por causa das exportações recordes de cobre.Atualizado às 17h53.

Tudo o que sabemos sobre:
Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.