Presidente boliviano Evo Morales passa por cirurgia no joelho

O presidente da Bolívia, Evo Morales, um apaixonado por futebol, foi operado no sábado por causa de uma lesão no joelho esquerdo e deverá reduzir drasticamente suas atividades físicas durante as próximas três semanas, informou o governo boliviano.

REUTERS

07 de novembro de 2010 | 15h30

O governante, que completou 51 anos na semana passada, foi operado por médicos em uma clínica particular da cidade central de Cochabamba, onde se internou no período da tarde após cumprir uma intensa agenda que incluiu atos públicos e discursos em La Paz e Potosí.

Morales "foi submetido a um procedimento cirúrgico via uma artroscopia", devido à sua "intensa atividade diária e esportiva apresentava problemas na região anterior de seu joelho esquerdo, em larga evolução", informou o comunicado do porta-voz do governo, Iván Canelas.

"O procedimento cirúrgico encontrou lesão de cartilagem ou desgaste da rótula nos graus 1 e 2 e na parte lateral do joelho, assim como uma lesão degenerativa de aproximadamente 1/3 de tendão rotuliano", explicou.

O porta-voz adiantou que os médicos curaram a lesão e pediram para que Morales permaneça três semanas de "repouso relativo", durante o qual deverá fazer fisioterapia.

Morales fez do futebol um de seus cartões de apresentação tanto nas viagens intermináveis pelo país quanto nas visitas ao exterior, tendo jogado inclusive com outros governantes.

Na semana passada, durante visita ao Irã, que coincidiu com seu aniversário, o mandatário boliviano jogou futebol de salão com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad.

Semanas antes, a imprensa mundial abordou seu amor pelo futebol por um motivo menos agradável: Morales deu uma joelhada em um adversário que já o havia atingido antes, durante a inauguração de uma quadra de grama sintética em La Paz.

(Reportagem de Carlos A. Quiroga)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLIVIAEVOJOELHO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.