Presidente de TV opositora é proibido de sair da Venezuela

Empresário da Globovisión Guillermo Zuloaga é acusado de ocultar carros para fazer especulação de preços

Reuters,

16 de julho de 2009 | 08h23

O Ministério Público venezuelano proibiu na quarta-feira, 15, o presidente do canal de TV opositor Globovisión de sair do país, alegando perigo de fuga enquanto ele é investigado pelo crime de "usura genérica". O empresário Guillermo Zuloaga é acusado de ocultar veículos de uma concessionária para fazer especulação de preços.

 

O presidente Hugo Chávez tem instigado as autoridades a tomar medidas contra a emissora que considera subversiva, e a Procuradoria iniciou duas investigações contra Zuloaga, uma por usura e outra por supostos delitos ambientais. O processo ocorre durante as tensões que surgiram em maio, logo após Chávez ameaçar tomar duras medidas contra a Globovisión e outros canais locais por conspiração e incitação ao ódio.

 

"Depois da solicitação do Ministério Público, foram acordadas as medidas cautelares substitutivas de liberdade consistentes na proibição da saída do país e a apresentação periódica diante de um tribunal ao empresário Guillermo Zuloaga", disse um comunicado da procuradoria.

 

A acusação solicitou a medida alegando presunção de fuga e obstrução da Justiça. Medidas similares atingiram outras três pessoas relacionadas ao caso. Zuloaga disse na Globovisión que enfrentaria as acusações e lamentou ter tomado conhecimento da medida por meio de um comunicado de imprensa.

 

A oposição acusa o governo de atentar contra a liberdade de expressão por uma milionária multa que impôs ao canal há algumas semanas e por levar adiante vários inquéritos por supostas violações de leis de telecomunicações. Mas o governo argumenta que pretende cuidar da saúde mental dos venezuelanos e combater o crime. Zuloaga deve comparecer a um tribunal local na sexta-feira para ser imputado.

 

Chávez recebeu duras críticas dentro e fora da Venezuela por não renovar a concessão do canal mais visto do país, o opositor RCTV, o que se interpretou como uma resposta à posição política da emissora.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.