Reuters
Reuters

Presidente deposto promete voltar hoje a Honduras por terra

Zelaya e governo de facto não chegam a acordo em negociações mediadas pela Costa Rica e apoiadas pelos EUA

Associated Press,

23 de julho de 2009 | 10h37

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, pretende ir nesta quinta-feira, 23, à fronteira da Nicarágua com seu país para voltar por terra a Tegucigalpa. Ele foi derrubado em um golpe de Estado no dia 28 de junho. Representantes de Zelaya e do governo de facto de Roberto Micheletti não chegaram a um acordo nas negociações mediadas pela Costa Rica e Apoiadas pelos EUA.

Veja também:

especialEntenda a origem da crise política em Honduras 

lista Perfil: Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA 

"Voltarei a Honduras desarmado e pacificamente para que Honduras retorne à paz e à tranquilidade", disse Zelaya em Manágua. "Estarei com minha mulher e meus filhos. O Exército será responsável por qualquer violência contra nós". No último dia 5, Zelaya tentou voltar ao país em um avião, mas o Exército bloqueou a pista do aeroporto de Tegucigalpa.

Na Costa Rica, as negociações mediadas pelo presidente Oscar Arias caminhavam para o fracasso com a recusa do governo de Micheletti em aceitar o retorno de Zelaya.

Arias apresentou um plano com 11 pontos que incluía a volta de Zelaya e anistia aos golpistas. O presidente costa-riquenho disse que era sua última tentativa de arrumar uma solução pacífica para a crise. Segundo Arias, as duas partes devem buscar um novo mediador se não houver acordo.

Mauricio Villeda, representante do gabinete de Micheletti nas negociações, disse que levaria a proposta ao presidente para apreciação. Já o ministro das relações Exteriores do governo de facto, Carlos Lopez, rejeitou a volta de Zelaya, com o argumento de que a Suprema Corte proíbe o retorno do presidente deposto.

A resistência de Micheletti em aceitar a volta de Zelaya acontece em meio a pressão dos EUA e outros países, que ameaçam Honduras com mais sanções caso Zelaya não seja reempossado. Nenhum governo internacional reconhece a presidência de Micheletti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.