Presidente do Equador demitiu ministro da Defesa, dizem fontes

O presidente do Equador, RafaelCorrea, demitiu seu ministro da Defesa após deixar aturdidoscomandantes das Forças Armadas do país ao acusar os EUA decontrolarem parte das agências de inteligência equatorianas,afirmaram fontes do governo. O ministro equatoriano da Defesa, Wellington Sandoval, serásubstituído por um assessor próximo de Correa, afirmaram doismembros importantes do governo à Reuters na noite deterça-feira. Nenhum dos dois quis ter sua identidade reveladaporque não estavam autorizados a comentarem a questão. Essas autoridades não disseram exatamente por que Sandovalhavia sido demitido, mas o militar viu-se criticadorecentemente devido à sua suposta falta de liderança dentro dasForças Armadas. Na semana passada, Correa acusou a CIA (agênciade inteligência norte-americana) de manipular agências deespionagem do Equador. A Embaixada dos EUA não se manifestou a respeito dasacusações do dirigente equatoriano. Correa, de esquerda e um ex-ministro da Economia que tomouposse há mais de um ano, criticou os militares e a políciaoutras vezes por não fornecerem em tempo informações adequadasdurante o conflito diplomático deflagrado por uma ação militarrealizada pela Colômbia em território equatoriano, no mêspassado. Na terça-feira, os principais comandantes das ForçasArmadas do Equador requisitaram um encontro com o presidente afim de discutir as críticas e, assim, "evitar colocar em riscoa segurança e a estabilidade do país". Os militares sempre desempenharam um papel importante nocenário político frequentemente instável do Equador e deixaramde apoiar os três últimos presidentes eleitos no país antes deCorrea. Todos os três acabaram depostos por ações do Congressoou por distúrbios de rua. Mas os altos índices de popularida do atual dirigente e osplanos de reformar as Forças Armadas devem protegê-lo dequalquer tipo de retaliação militar, afirmam analistas. As Forças Armadas representam uma das instituições em queos equatorianos mais depositam confiança e possuem participaçãoem várias empresas de grande porte de setores que se estendemda aviação à criação de camarões. A ação militar da Colômbia no acampamento de uma guerrilhacolombiana localizado dentro do Equador, no dia 1o de março,matou um importante dirigente desse grupo rebelde e provocouuma crise envolvendo o Equador, a Colômbia e a Venezuela. Os equatorianos e venezuelanos enviaram soldados para suasfronteiras até que uma cúpula regional acabou por dirimir oconflito. Recentemente, Correa disse que a CIA controlava algumas dasagências de inteligência do Equador, apropriando-se deinformações confidenciais obtidas dentro do territórioequatoriano e repassando-as às forças colombianas. A Colômbia é o maior aliado dos EUA na região e recebebilhões de dólares em ajuda militar do governo norte-americano. (Reportagem de Carlos Andrade)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.