Presidente do Equador descarta mudar postura com Colômbia

O presidente do Equador, Rafael Correa,descartou nesta quinta-feira que a libertação de alguns dosreféns das Farc na Colômbia facilite a retomada das relaçõesdiplomáticas entre os dois países, rompidas desde março. Em suas primeiras declarações à imprensa depois do resgatedos 15 reféns, entre eles a ex-candidata à Presidência IngridBetancourt, Correa também saudou a bem-sucedida operaçãomilitar e reiterou sua disposição para ajudar na libertaçãodaqueles que continuam cativos. Entretanto, Correa voltou a exigir respeito por seu país,pedindo para que não o envolvam nos problemas da nação vizinha,que trava uma batalha com a guerrilha esquerdista,narcotraficantes e paralimilitares de direita há quase quatrodécadas. "Bom para a Colômbia, bom para Ingrid Betancourt, e queisto contribua para a paz na Colômbia", disse Correa ajornalistas na província de Azuay. "Mas em respeito ao nosso país, que o mundo saiba que oproblema está na Colômbia...que deixem de nos envolver em seusproblemas, que resolvam seus problemas entre colombianos",acrescentou. Quito e Bogotá romperam suas relações diplomáticas emmarço, depois de uma incursão de militares colombianos emterritório equatoriano para destruir um acampamento das Farc, oque despertou a preocupação da comunidade internacional,inclusive a de Betancourt. A ex-candidata presidencial franco-colombiana, depois deseu resgate na quarta-feira junto a outros 14 reféns, pediu aCorrea e ao presidente venezuelano Hugo Chávez que facilitassemum acordo de paz na Colômbia.Correa afirmou que o Equador está cansado de serpersistentemente envolvido no conflito interno da Colômbia, queultrapassa a fronteira com refugiados, sequestros, violência enarcotráfico. "Deixem-nos em paz. Estamos aqui fartos de que cada fatonos envolvem. Isto nos afeta e temos que aguentar as suspeitase dar explicações", acrescentou. (Por Alexandra Valencia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.