Presidente do Equador quer mandar fechar emissora de TV

Em programa semanal de rádio, Correa anunciou que pedirá também investigação sobre partido de oposição

29 de agosto de 2009 | 15h09

O presidente do Equador, Rafael Correa, disse neste sábado, 29, que vai pedir o fechamento do canal de televisão privado Teleamazonas. Segundo a agência Reuters, o presidente equatoriano pretende fechar definitivamente a emissora alegando que a empresa transmitiu gravações de diálogos dele, que teriam sido obtidas de forma "clandestina".  "Acabou a festa", disse Correa.

 

 A emissora divulgou gravações de diálogos do presidente sobre supostas alterações no texto da Constituição. A oposição a Correa o acusa de não ter informado o país sobre as mudanças de última hora na Constituição, aprovada no ano passado.

 

 "Vou pedir o fechamento do canal de acordo com a lei", afirmou o presidente do Equador, falando em seu programa semanal de rádio e televisão. Segundo a Reuters, não foram encontrados representantes da Teleamazonas para comentar as declarações de Correa.

 

O presidente anunciou ainda que pedira uma investigação sobre espionagem patrocinada, segundo ele, pelo Partido Sociedad Patriótica (PSP), do ex-presidente Lucio Gutierrez. Correa acusa o PSP de ter participação na gravação do diálogo divulgado pela emissora Teleamazonas.

 

"É um atentado contra a segurança nacional", disse Correa. Atualmente, o governo equatoriano faz uma revisão das concessões de canais de TV e rádios no país.

 

Texto atualizado às 15h56.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.