Presidente do Irã busca aliados na América Latina

Ahmadinejad desembarca nesta quinta na Bolívia; líder ainda encontra com Hugo Chávez durante viagem

Agências internacionais,

27 de setembro de 2007 | 10h04

Criticado por líderes do mundo todo por suas ambições nucleares, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, une-se aos líderes esquerdistas sul-americanos que o apóiam como parceiros energéticos e comerciais em oposição à influência dos Estados Unidos.       Veja também: Morales pede que não o incluam em 'eixo do mal' Após o seu discurso na Assembléia Geral das Nações Unidas na terça-feira, em que Ahmadinejad declarou que o Irã pretende ignorar demandas de "poderes arrogantes" para interromper o seu programa nuclear, o líder iraniano desembarca pela primeira vez na Bolívia nesta quinta-feira, 27, para estreitar relações com a nação andina.   Espera-se que Ahmadinejad e o presidente boliviano, Evo Morales, assinem acordos comerciais que, segundo oficiais de La Paz, podem ajudar o país sul-americano a ampliar a exploração da segunda maior produtor de gás natural no continente, depois da Venezuela, e a realizar investimentos extremamente necessários na agricultura do país.   Ahmadinejad segue depois para Caracas, onde encontrará o presidente venezuelano, Hugo Chávez, que defende o programa nuclear iraniano, justificando que ele tem fins pacíficos.   A viagem do presidente iraniano pelos países sul-americanos para aproximar os governos também inclui o Equador e a Nicarágua, enquanto os Estados Unidos tentam isolar o Irã internacionalmente.   A proximidade de Ahmadinejad entre Chávez e governo aliados da Venezuela preocupa líderes esquerdistas venezuelanos e bolivianos, além de Washington, que acusa o Irã de patrocinar o terrorismo. Segundo o republicano Connie Mack, a relação entre os países lembra "o relacionamento de Fidel Castro com a Rússia".   O presidente equatoriano, Rafael Correa, também pretende estreitar laços com Teerã. O Irã inclusive anunciou recentemente que abrirá a sua primeira embaixada em Quito. Daniel Ortega, presidente da Nicarágua, já aceitou investimentos iranianos em infra-estrutura. Em troca, o governo de Manágua exporta carne, café e bananas para o Oriente Médio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.